Página Inicial Estudar Intercâmbio de universidades na França

Intercâmbio de universidades na França

Estão abertas as candidaturas para a 3ª edição do Programme Grenoble-Brésil, um programa exclusivo para estudantes brasileiros. A cidade de Grenoble é um dos principais pólos universitários e científicos da FrançaEla abriga mais de 50 mil estudantes, sendo 7 mil estrangeiros, repartidos em cinco instituições de ensino:

• Université Joseph-Fourier (ciências, tecnologia e saúde)
• Université Pierre Mendes France (ciências humanas e sociais)
• Université Stendhal (letras e comunicação)
• Grupo Grenoble INP (ciências da engenharia)
• Institut d’Etudes Politiques de Grenoble (ciências políticas)

Pelo terceiro ano consecutivo, as universidades de Grenoble anunciam para o ano letivo de 2008-2009 um programa de recepção exclusiva e privilegiada de estudantes brasileiros. O Programme Grenoble-Brésil oferece 50 vagas em formações de nível Master e Doutorado e Diploma de Engenharia.

Dois procedimentos são possíveis:
• Programa de intercâmbio
• Programa de diploma

  • PROGRAMA DE INTERCÂMBIO

Candidaturas até 15 de março

Específico para os estudantes de universidades brasileiras parceiras de Grenoble:
UFRGS – Universidade Federal do Rio Grande do Sul
PUC-RS – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
PUC-MG – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais
UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro
PUC-Rio – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
USP – Universidade de São Paulo
UFPB – Universidade Federal da Paraíba

O programa de intercâmbio tem duração de um ano e prevê revalidação de créditos cursados. Para participar, o estudante deve ter concluído e validado no mínimo seis semestres de estudos. Os dossiês de candidatura devem ser retirados diretamente no departamento de Relações Internacionais da universidade brasileira.

  • PROGRAMA DE DIPLOMA

Candidaturas até 1º de fevereiro

O programa de diploma destina-se aos estudantes que queiram realizar um mestrado, doutorado ou obter um diploma de engenharia reconhecido em toda a Europa. A duração do programa de Master é de 2 anos. Para participar da seleção, o estudante deve encaminhar seu dossiê de candidatura para a universidade de seu interesse.

Todos os candidatos devem comprovar conhecimento intermediário da língua francesa (equivalente ao DELF B2 ou TCF 4).

O Programme Grenoble-Brésil não é um programa de bolsas de estudos, mas garante acomodação a preços reduzidos para todos os candidatos selecionados (custos por conta do estudante), além de oferecer um curso intensivo de francês antes do início das aulas.

Para mais informações : www.grenoble-universites.fr/programme-bresil

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. TEORIA DO UNIVERSO FLUXONÁRIO ESTRUTURANTE A PARTIR DO ESPAÇO DENSO, e TEORIA DA ENERGETICIDADE E RADIAÇÃO.

    Autor – Ancelmo Luiz Graceli.

    Ancelmoluizgraceli@hotmail.com
    Tel. 27- 32167566
    Rua Itabira, nº 5, Conjunto Itapemirim,
    Rosa da Penha, Cariacica, E.S. cep.29143 -269.
    Brasileiro, professor, graduação em filosofia e pesquisador teórico.
    Livros publicados- ASTRONOMIA, e MUNDO DAS INTERAÇÕES FÍSICAS.

    Colaborador – Marcio Piter Rangel.

    Trabalho apresentado a SECT- Espírito Santo- Brasil.
    E a Sociedade Brasileira de Física.
    Introdução publicada na WEB pelo Portal Fator Brasil – Canal Perfil. No dia 30.01.2008.
    Se outras teorias com fundamentos e formulas tiveram aceitação, por que estas não terão? Pois, possui todos os fundamentos e todas as formas de cálculos, e que se confirmam com a realidade e a observação até hoje alcançada. Com mais de cento e dez fórmulas, com as mais variadas formas de se calcular um mesmo fenômeno, com mais de duzentos fundamentos em todas as áreas da física moderna. Inclusive, com novas previsões dentro da cosmologia e astronomia.

    Apresentado a Revista de Ensino da SBFISICA. Soced. Bras. de Física.
    Brazilian Journal of Physics – SBFISICA

    APRESENTAÇÃO.

    As teorias defendem o poder divino e vital sobre o cosmo, a vida, a mente e tudo o mais, contra o mecanicismo e o materialismo. Com fundamentos contundentes sobre possibilidades de como tudo possui uma origem e um direcionamento pelo poder divino em direção a vida, a harmonia, a perfeição, o aprimoramento e a eternidade em detrimento ao caos e ao fim.

    Na cosmologia é defendido o universo que se estrutura como um fluxo de produção e destruição de astros. Na astronomia é defendido que o movimento é produzido pela própria energia do astro.
    INTRODUÇÃO.

    TEORIA DA ORIGEM DA MATÉRIA E DO COSMO, E DO UNIVERSO FLUXONÁRIO ESTRUTURANTE.

    Esta teoria é a que mais se aproxima do poder de Deus. Pois vai contra qualquer forma de caos.

    DO QUASE NADA TUDO PODE SURGIR – EXCETO DEUS.

    O UNIVERSO É UMA AUTO CRIAÇÃO, PORÉM, UMA OBRA DESTE PORTE SÓ PODE TER O PODER DO CRIADOR.

    Esta teoria vai de encontro à harmonia e eternidade cósmica em detrimento ao caos e a finitude do universo proposto pela teoria da grande explosão.
    Enquanto um entra em fluxo de desintegração e reintegração com menos energia, outros nascem mais distantes a partir da aglutinação do espaço denso.

    COSMO ESTRUTURANTE E DESINTEGRANTE.

    Modelo Graceliano.
    O universo é fluxo constante e infinito.

    Primeira parte.

    TEORIA DA BOLHA DE ESPAÇO DENSO E ENERGIA.

    Enquanto na teoria da grande explosão o universo se expande a partir de um ponto do espaço e de uma pequena quantidade de energia, e é um só – DE FORA PARA DENTRO -Na teoria da bolha o universo se contrai a partir do espaço denso para produzir a matéria e a energia de vários pontos do infinito do espaço, numa constante produção de novos universos em vários pontos do cosmo. Ou seja, ele se contrai para produzir a matéria para depois formar os astros e se expandir pela radiação. E são vários universos em infinitos pontos do cosmo em infinitas fases.

    De nascimento na fase bolha de espaço denso – fase estruturante-
    Na fase de energia,
    Na fase de matéria
    E na fase de desintegração, de desprendimento e afastamento no espaço pela própria radiação da densidade da matéria.
    E reintegração formando secundários a partir do material irradiado pelo primário.

    PASSAGENS PARA FORMAÇÃO DA MATÉRIA, ELEMENTOS, ASTROS E OS UNIVERSOS.

    Assim, o espaço denso se contrai até ser filamentoso – chega a matéria difusa – matéria densa – energia – núcleos difusos – astros – fusão nuclear – elementos químicos – de elementos leves em pesados – radiação – reengrupamentos em novos astros, os secundários – volta a se desintegrar – e o processo continua até se tornar matéria difusa.

    OBSERVAÇÃO.

    Não sentimos a ação do espaço denso porque estamos num universo em uma fase que já se transformou em matéria.

    FÓRMULA PARA CONTRAÇÃO DE ESPAÇO DENSO.

    O espaço denso se contrai e diminui de tamanho para produzir a matéria, e se dá numa contração e diminuição infinita, que pode ser calculada com a formula do limite infinitesimal. O todo menos uma parte, dividido pelo todo, assim infinitamente.

    Espaço denso ED – parte P/ total espaço denso se estruturando. Assim, infinitamente, até transformar-se em energia e matéria.

    ED – P / ED … até chegar a ser energia e matéria.

    Assim, temos a fórmula para formação da matéria, energia e para origem do universo.

    INFINITOS UNIVERSOS EM FASES ESTRUTURANTES E DESINTEGRANTES.

    PRIMEIRA TEORIA DA ORIGEM E NATUREZA DA MATÉRIA.

    Sempre foi procurado pelos filósofos e químicos gregos, depois pela física moderna uma explicação para a origem, natureza e essência da matéria, em que o mundo em épocas foi dividido em forma e estrutura, espírito, mente e matéria, pois aqui mostro a primeira teoria do que a matéria pode surgir e do que ela é formada, que é de filamentos de espaço denso, sempre se procurou a matéria pela matéria e dividi-la infinitamente do átomo dos gregos até a centena de partículas que são catalogadas hoje.
    Observação – nenhuma teoria exposta até hoje conseguiu dar uma fundamentação de que originou a matéria. Todas partem do pressuposto de algo pronto.

    CÁLCULO DE FORMAÇÃO DE MATÉRIA E PARA COSMO ESTRUTURANTE.

    Poder de contração do espaço denso = quantidade de espaço denso / tempo cosmológico = matéria e cosmo e fases estruturante.

    CÁLCULO PARA COSMO DESINTEGRANTE.

    Poder de desintegração = quantidade de matéria, temperatura, fusão núcleo estelar, radiação e energia / tempo cosmológico.

    Pd*[qm] / t c.

    ESPAÇO DENSO E MATÉRIA, E ENERGIA E ASTROS.

    O universo não se formou a partir de uma grande explosão, mas sim do espaço denso, o espaço denso é todo espaço que nos circunda, que temos a noção que ele é um grande vazio, mas não é, possui densidade, e dele a matéria e a energia se originaram para formar os primeiros astros, galáxias e aglomerados.

    ROTAÇÃO E TRANSLAÇÃO DO UNIVERSO.

    É falsa a expansão, é na verdade uma translação e rotação e um mínimo de afastamento.

    O que temos a noção de uma grande expansão do universo é na verdade a translação e rotação do mesmo. Pois, se ele é infinitamente velho e começaram a se expandir no momento de uma suposta grande explosão, os astros estariam tão distantes uns dos outros que nem a sua luz seria capaz de ser captada por qualquer tipo de telescópio.

    O FORMATO DO UNIVERSO.

    A disposição das galáxias em discos com os sistemas de estrelas também em disco prova que o universo é um processo de estruturação e passa por fluxos, pois se tivesse surgido num só momento numa grande explosão o formato do universo seria esférico, ou seja com todos os astros numa mesma distancia de um centro, e como também com a mesma translação e rotação.

    Observação. Já temos aqui uma fundamentação da origem e de que material o cosmo se formou. Fundamentos não exposto até hoje por outras teorias.

    A ENERGIA PRODUZ A RADIAÇÃO QUE PRODUZ O AFASTAMENTO MÍNIMO.

    Há sim um afastamento mínimo proveniente da ação da radiação e de altas temperaturas, afastamento produzido pela energia processada por fusões nucleares no interior dos astros.

    UNIVERSO DE ENERGIA ESTRUTURANTE. OU UNIVERSO DE CONTRAÇÃO E DESINTEGRAÇÃO.

    O universo passa por dois processos – o primeiro da formação da matéria e energia pela contração dos filamentos do espaço denso.

    O segundo da formação dos astros, seus processos de energia e produção de temperatura à proporção que a matéria se aglutina, com a matéria aglutinada é produzida grande quantidade de energia e temperatura, dando surgimento a radiação e a conseqüente desintegração do astro no espaço. Por isto que o universo é um fluxo de energia estruturante, onde primeiro se contrai para depois se desintegrar e se afastar uns dos outros, sempre em porções menores.

    É UM FLUXO POR QUE SE CONTRAÍ DE ESPAÇO DENSO ATÉ A MATÉRIA, DE MATÉRIA EM ASTRO, SE DESINTEGRA EM RADIAÇÃO, VOLTA A REINTEGRAR-SE EM ASTROS MENORES E COM MENOS DIÃMETRO E ENERGIA, QUE VOLTA DESINTEGRAR-SE. E FLUXO CONTINUA INFINFINITAMENTE. ATÉ SE TORNAR MATÉRIA DIFUSA.

    O mesmo processo passa as partículas e os átomos.

    A PRODUÇÃO DOS SECUNDÁRIOS PELA RADIAÇÃO E ATMOSFERA.

    Parte da radiação se transforma também em atmosfera, que vai sempre direcionar para o equador, em que vai formar cinturões de gases como é o caso de Júpiter, ou num estágio mais avançado os cinturões vão formar anéis que é o caso de Saturno e Urano, destes anéis vão se formar pequenos aglomerados de gases, que sempre irão se aglutinar mais e mais, onde surgirão os primeiros núcleos rarefeitos, e o processo de aglutinação continua, onde os secundários começam a surgir mesmo antes de se formarem, como gases eles já possuem translação e rotação e se afastam dos primários. Ou seja, antes de existir como astro o secundário já desenvolve a sua translação.

    PROVA PELO FORMATO E DINÃMICA DA ATMOSFERA.

    Isso pode ser confirmado com a Terra, em que a sua atmosfera já se concentra mais no equador e menos nos pólos, proveniente do magnetismo da Terra e ação centrifuga da rotação, e que a atmosfera possui dinâmica própria. Que se filamentará até chegar a dar inicio a um novo satélite. Porém isto não é para hoje.
    O MAGNETISMO DO PRIMÁRIO ACELERA A FORMAÇÃO DO SECUNDÁRIO.

    Se não fosse o magnetismo e a ação centrifuga da rotação dos astros, os seus secundários demorariam muito mais tempo para se formar. Pois o magnetismo e ação centrifugam agem na produção dos filamentos de gases para o equador e na produção destes filamentos no processo de esferificação, onde surgirão núcleos rarefeitos, até formar novos astros.

    E o fluxo continua de desintegração do primário por radiação proveniente da produção de energia, para a produção de atmosfera e aglutinação em filamentos pelo magnetismo e ação centrifuga da rotação do próprio astro até chegar a esferificação, também através do magnetismo dos gases.

    FASES DO FLUXO.

    1 – com a contração dos filamentos do espaço denso para formar a matéria e depois da matéria produzida se forma em astros. Com os astros formados eles passam a se desintegrar como forma de radiação e temperatura.

    2- o material da desintegração volta a se contrair e produzir astros menores, e destes outros menores o processo continua. Isto se confirma em que os astros possuem o formato esférico. Pois o arredondamento mostra que houve um processo lento de formação através de materiais que surgiram de fora para dentro, onde lentamente por aglutinação o astro foi se estruturando. Confirmam-se porque os núcleos são mais densos e a Terra é formada por camadas e núcleos.

    No caso da produção dos planetas pelo Sol, a atmosfera nem chegou a se formar, e a radiação foi logo se filamentando para se esferificar e surgir os planetas.

    UNIVERSO INFINITO NA IDADE, NO ESPAÇO, E NO PROCESSAMENTO.

    A esferificação prova que o astro foi produzido por camadas de material de radiação por justaposição – uma sobre a outra, por isto que os núcleos são mais densos, que foi já provado na física do átomo. E o arredondamento prova que levou muito mais tempo para esta formação circular, logo o universo é um processo muito mais lento e constante que se pode imaginar. Assim, o arredondamento do universo prova a teoria do fluxo e que todo o universo de hoje não surgiu em um só momento, são vários universos em várias fases se processando e se estruturando, enquanto uns envelhecem pela perca e processamento de energia, outros surgem pelo espaço denso. Estas fases se confirmam pela observação atual, assim o universo é infinito na origem e no fim, no espaço e no seu processamento.

    FASES DO UNIVERSO.
    UNIVERSOS BOLHA ESTRUTURANTE E FLUXONÁRIO.

    1- Origem – universo bolha de espaço denso e bolha de energia.
    2- Tipo – estruturante fluxonário, se contrai para produzir a matéria a partir da bolha do espaço denso. Depois se expande após a contração e produção de energia, temperatura e radiação.
    3- Forma de existir – processos de produção energia.
    4- Quantidade – vários tipos em várias fases, da bolha até astro quase sem energia.
    5- Tamanho – infinito na produção de novos universos, infinito no espaço e no tempo.
    6- Forma – infinitas e variadas formas, de bolhas, gases, energia difusa, matéria densa e menos densa, astros, anéis, radiação, atmosfera, etc.
    7- estruturante da matéria e do cosmo.

    CRIAÇÃO MÁGICA – MATÉRIA A PARTIR DO ESPAÇO DENSO.

    Antes de se falar da criação do universo, deve-se falar da criação da energia e da matéria, pois foi a partir da matéria que surgiu os astros.

    O ARREDONDAMENTO E ESFERIFICAÇÃO DOS ASTROS.

    A esferificação dos astros prova que,

    1- Formou-se por um processo lento para ter o formato esférico, do contrário não o seria.

    2- Formou-se de partes mínimas que foram se justa posicionando para formar o astro, do contrário não teria a formação redonda. Vê-se que enquanto Saturno e Urano possui anéis de gases na direção do equador, Júpiter possui uma lista de atmosfera que está em movimento na direção do equador, onde se confirma a origem dos astros por componentes do primário.

    3- Os astros são mais velhos do que se pensa. E o seu núcleo é mais denso do que a parte exterior, e o planeta Terra é formado por camadas sobre formadas.

    4- Fiz um cálculo para a idade da Terra, porém foi levado em conta apenas o afastamento, e não o tempo para a esferificação, que provavelmente foi muito maior.

    5- Prova que o universo tem a sua origem através de elementos minúsculos, que foram se juntando para formar os astros, como partes mínimas de radiação, gases, luz e sobras de grandes temperaturas.

    6- Aí se tem o universo se formando por partes mínimas, como energia e matéria, de dentro para fora com os núcleos mais densos que a crosta – parte exterior. Um universo muito mais velho, redondo e infinito no tempo de origem e de fim, infinito em relação a sua produção, logo, que nunca surgiria num só momento numa grande explosão.

    RADIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE SECUNDÁRIOS.

    Assim, com o formato dos astros se tem mais uma prova da teoria do universo fluxonário estruturante. Por compressão do espaço denso, e desintegração pela radiação e temperatura, e uma nova compressão desta radiação no espaço, formando novos astros menores, como planetas, satélites e cometas.
    E o processo estruturante e desintegrante continua produzindo asteróides e outros que se desintegrarão sempre produzindo astros e asteróides menores.

    Existem universos só de espaço denso, de gases, de energia, de matéria difusa, de matéria e astros e de gases, luz e radiação, com isto se confirma a teoria aqui sustentada de que o universo não tem idade, pois ele é uma infinita produção e desintegração de si mesmo. E enquanto uns se desintegram outros em outros pontos do infinito do espaço começam a se formar lentamente pelo espaço denso.

    Se o cosmo fosse produzido num só momento, os astros não teriam uma forma esférica tão definida, uns seriam longos e outros achatados.

    SOBRE O ESPAÇO DENSO, MATÉRIA E ENERGIA.

    A energia existe em função da matéria, desde sua produção até o seu transporte inclusive pelo ar, pois a matéria contém e produze a energia, pois a energia não tem como existir sem a matéria, e a matéria se origina e é espaço denso densificado.

    MATÉRIA E ENERGIA = ESPAÇO DENSO DENSIFICADO.

    Não tem como falar de um universo que se origina de uma pequena bola numa grande explosão, pois qual a origem desta bola, e dá aonde veio a energia para explodi-la.

    A grande explosão contém varias contradições e falta de fundamentos de origem, causa e efeito.

    ATMOSFERA INTERPLANETÁRIA E ESPACIAL.

    O espaço interplanetário é constituído de gás a uma [ pressão de dez elevado a menos 19 atmosferas terrestres]. Isto é uma direção que o espaço não é um vazio sem densidade, sem pressão, e não é um vácuo.

    CONTESTAÇÃO.
    Se a gravitação atraísse os astros, todos os satélites ficariam a prumo entre o planeta e o Sol, pois o planeta seguraria de um lado e o Sol de outro, e estaríamos constantemente em eclipse. Por isso que a dinâmica depende da energia e radiação do astro.
    Ver teoria da energeticidade e radiação.

    ASSIM TEMOS AS FASES DO UNIVERSO.

    A fase espacial filamentosa de densidade.
    A fase energética espacial filamentosa.
    A fase da materialidade – átomos, e elementos químicos.
    A fase de astros imensos, com pouca densidade, e pouca radiação.
    A fase da aglutinação, onde a matéria foi se aglutinando, aumentando a temperatura interna e a radiação.
    A fase da desintegração pela temperatura interna e radiação.
    A fase de formação de novos astros pela aglutinação do material expelido da radiação dos primeiros astros, assim vemos que é um fluxo e processo de integração, desintegração e novas aglutinações.

    FORMAÇÃO DIRETA PELO ESPAÇO DENSO, E FORMAÇÃO DE SECUNDÁRIO PELA MATÉRIA JÁ FORMADA.

    O material que já se tornou astro não volta a ser espaço denso após a desintegração, mas este material se integra formando novos astros menores.
    Assim há dois processos.
    1- o processo de formação direta pelo espaço denso.
    2- e o processo pela desintegração do astro já produzido, que vai reintegrar-se e formar outros menores.

    Assim, o espaço denso é um imenso todo, como uma imensa geléia sem forma definida.
    O universo é um processo de forma direta pelo espaço denso, e um processo de ciclo, em que uns se desintegram e parte do seu material vai construir outros. Com isto vemos que a origem, produção e tempo do universo são infinitos, e o sistema de produção de universos é muito mais velho do que se imagina, em trilhões de anos.

    E que existe vários tipos de universos, uns de espaço denso, campo de energia sem matéria, campo de energia com matéria, universos de núcleos atômicos, de gases, de matéria e astros se desintegrando e integrando outros.

    EVOLUÇÃO CÓSMICA E EVOLUÇÃO DOS ELEMENTOS QUÍMICOS.

    Assim, o universo é uma constante produção e de evolução cósmica, de produção direta e de desintegração, e produção secundária de integração em novos astros, enquanto os elementos químicos vão se processando e evoluindo.

    SOBRE O AFASTAMENTO.

    O universo não sofreu uma grande explosão para produzir o seu afastamento, mas sim, o afastamento é produto da radiação, rotação e das grandes temperaturas, que impulsiona os astros para frente, alterando a sua órbita. Ou seja, as fusões nucleares, a produção de temperatura e radiação produz o afastamento ínfimo entre os astros. Por isto que há uma proporção entre as distancias dos planetas e satélites.

    CONTESTAÇÃO.

    Se o universo tivesse sofrido uma grande explosão só as galáxias estariam se afastando, e os astros menores como planetas, cometas e satélites não estariam se afastando, e o afastamento progressivo provam que todos os astros se encontram em afastamento uns em relação aos outros, assim, todos os astros se encontram em afastamento proveniente de sua energia, radiação e temperatura externa.

    CONTESTAÇÃO.

    APARÊNCIA AO VERMELHO PELO EFEITO DOPPLER PELA ROTAÇÃO E TRANSLAÇÃO DO COSMO.

    Será visto mais a frente que o universo não se encontra em expansão, mas sim em afastamento mínimo, e o que é detectado como aparência ao vermelho nem é este afastamento. Pois ele é insignificante no que tange ao deslocamento no espaço, e o que dá a aparência ao vermelho no efeito Doppler é o deslocamento da translação e rotação de astros e galáxias no espaço.

    AFASTAMENTO PELA AÇÃO DA RADIAÇÃO.

    Vemos então que, o universo é uma constante criação por filamentos de espaço denso de novas matérias e novos cosmos pela aglutinação dos materiais já fundidos e reintegrados, enquanto outros cosmos mais evoluídos se desintegram por radiação e alta temperatura, outros astros menores se integram com o material dos que já se desintegraram e que vão desenvolver uma órbita próxima aos que lhe deu origem e impulsão inicial, pela radiação e intensa temperatura.
    Assim forma-se uma produção direta pelo espaço denso, e uma produção por ciclo de desintegração e integração pelo material desintegrado, enquanto os elementos químicos evoluem.
    E, enquanto o universo se alarga pela radiação produzida pelos próprios astros. E não por uma suposta grande explosão, pois o afastamento é um processo continuo pela ação da radiação, pois só que decresce progressivamente e a impulsão inicial tende a perder intensidade.
    Enquanto o universo material se expande, o universo de filamentos do espaço denso se contrai, ou seja, há duas situações inversas.

    A radiação é proveniente principalmente das interações de fusões nucleares no interior dos astros.
    Ou seja, o mesmo fenômeno – a radiação – que produz a órbita e a dinâmica dos planetas e satélites, produz também o alargamento do universo e produz novos astros, e é o produtor da estrutura deles, e de novos elementos químicos.
    Conclui-se assim, que o cosmo é infinito na sua origem e será no seu futuro, como também é infinito no espaço e na produção de novos cosmos, e novos elementos químicos. O processo de criação lenta vai contra o processo de criação instantânea proposto pela grande explosão.
    Para se provar a tese exposta acima é simples, é só constatar que a expansão se encontra em progressão decrescente. Porém como já foi visto, o universo se encontra em produção e em afastamento e não em expansão.
    Assim, enquanto um se desintegra e vai produzir outros em outros cantos do universo o espaço denso se processa dando origem a galáxias de gases espaciais.
    Assim, o universo é um processo de nascimento direto pelo espaço denso, dos já nascidos, e nascimento de outros a partir dos já nascidos.
    Tudo ocorre por uma transformação direta da matéria na origem, é uma transformação fluxonária na produção de novos elementos químicos, novos astros e novas órbitas.
    Segunda parte.

    SOBRE A MATÉRIA.

    M = ED = E / t – matéria é igual a espaço denso solidiquicado, que é igual à energia dividido pelo tempo.

    A matéria é espaço denso energético solidificado, ou seja, as partículas e os elementos químicos são na verdade o espaço denso se processando energeticamente e produzindo solidificação.
    E num estágio evolutivo mais avançado. Assim, a matéria passa por um processo evolutivo, e a matéria – espaço denso energético solidificado – se encontra sempre num aprimoramento, e passa por um processo lento e unificado por isso que toda a matéria e a estrutura do átomo são iguais.

    FASES DE FORMAÇÃO DOS ASTROS.

    O nosso universo não iniciou ínfimo anterior a uma grande explosão, mas sim, infinitamente grande, entrando numa contração para produzir a matéria, passando por energia solidificada que é a matéria, para depois estruturarem-se em partículas, elementos químicos, e finalmente astros.

    Ou seja, o universo não formou astros instantaneamente, por isso que os astros e átomos possuem núcleos.

    Primeiro forma-se a energia, depois a matéria e por fim os astros, diferente do que defende a grande explosão.

    Assim, o universo passa da contração.
    1- do espaço para energia e a matéria.
    2- da matéria para astros.

    Depois da desintegração através da radiação e intensas temperaturas.
    Passa para a integração, onde novos astros são formados a partir do material da radiação.
    Assim, o universo e um fluxo de ciclos de produção e estruturação e evolução, através de.
    1 – Contração e solidificação.
    2 – Evolução química.
    3 – Desintegração, afastamento e dinâmica do universo pela energia e radiação.
    4 – E integração em novos astros.

    E que a órbita, a dinâmica, o afastamento e a desintegração do universo são provenientes da energia e radiação, tornando o universo de estrutura achatada, onde os astros já estão estruturados e em afastamento progressivo como é o nosso, enquanto outros são circular e em formação através de gases, e outros com tentáculos como grandes galáxias.

    COSMOFÍSICA E ASTROFÍSICA.

    PRODUTOR DE SI.

    O universo é um sistema vivo e dinâmico de produção e estruturação, onde produz a sua própria energia para o seu funcionamento,estruturação e dinâmica, sendo que a energia aumenta à proporção que vai realizando o seu funcionamento, e é um sistema de fluxo, onde a mesma interação que produz os elementos químicos, produz os astros por fusão. E também produz campos, radiação, altas temperaturas, dinâmica, órbitas, estruturas dos astros, e o afastamento no universo. Ou seja, ele é um produtor de si, da sua estrutura e de seu funcionamento. Assim, é uma constante produção de integração e desintegração.

    IDADE DO UNIVERSO.

    Com isto, pode-se deduzir que o universo não possui uma origem determinada no tempo, muito menos em algum lugar do espaço, e não possui uma origem determinada na estruturação da matéria e dos astros que o compõem. Porém, tem idade infinita, pois o espaço denso sempre esteve aí e produzindo energia, matéria, até chegar a astros.

    FORMA DE SER DO UNIVERSO

    De contração pelo espaço denso.
    De afastamento pela radiação.
    De aglutinação pelo material da radiação.

    O universo passa por fluxos enquanto produz os elementos químicos nas interações de fusões nucleares no centro dos astros, onde produz energia ao processar as interações físicas e produzir a sua estrutura de astros, órbitas e dinâmica.

    SOBRE O MOVIMENTO

    Se o movimento esta relacionado com a radiação, altas temperaturas, e interações físicas no interior dos astros que estão soltos no espaço denso para desenvolverem a sua dinâmica. Logo o movimento é natural e dinâmico, e varia conforme as situações de produção de energia em que se encontra o astro. E se a dinâmica obedece a um fluxo, logo o movimento é dinâmico, disforme e variável.

    SOBRE O ESPAÇO DENSO.

    Espaço denso produz a matéria, enquanto a matéria já produzida produz os astros e os elementos químicos vão sendo fundidos nas estrelas e secundários.

    SOBRE A MATÉRIA

    A matéria são filamentos do espaço denso contraído, que vai estruturar o universo em matéria, astros, elementos químicos, radiação, alta temperatura, e no universo auto dinâmico.

    SOBRE O COSMO

    O universo é auto dinâmico e enquanto produz a energia as interações físicas vão sendo processadas, e a radiação agindo e espalhando a matéria, os astros estão em dinâmica pela própria energia e radiação, os elementos químicos evoluem e se aprimoram, aprimorando a matéria e estruturando o universo, o cosmo se contrai pelo espaço denso, e se alarga pela ação da radiação, logo o universo é vivo e auto dinâmico.

    SOBRE O TEMPO

    O tempo não existe, o que existe é o cronômetro da memória marcado pelo funcionamento do cérebro como forma de consciência do que acontece entre intervalos de acontecimentos. Podemos considerar o tempo como algo secundário, que existe em função do funcionamento da consciência produzida pelo funcionamento do cérebro. A velocidade do cronômetro do homem é a velocidade de funcionamento do cérebro humano.

    SOBRE O AFASTAMENTO E ALARGAMENTO DO COSMO.

    Assim, a dinâmica do universo é proveniente da constante radiação, por isso que seu alargamento se encontra em progressão decrescente.
    E os astros surgiram da aglutinação do espaço denso, enquanto a radiação e as altas temperaturas desintegram os astros. Logo no futuro e nesta parte e estágio do universo em que nos encontramos os astros serão mais frios e menores.

    Assim, os astros estão soltos e livres no espaço, e não presos por supostos campos, onde a rotação das galáxias é menor que a translação.
    Enquanto a matéria surge do espaço denso, onde são produzidos os astros, outros se formam em outros pontos do espaço, enquanto a dinâmica é comum a todos os astros e não só nas galáxias. Prova disto nós temos no sistema solar. Com isto vemos que o alargamento é uma produção constante pela radiação, e não por uma suposta grande explosão. Pois o mesmo fenômeno que produz a translação, rotação, órbitas, produz também o alargamento, por isso que o afastamento é progressivo decrescente, cresce progressivamente, porém tem um percentual de decréscimo na progressão.

    O universo tenderá a se dissipar e se diluir em astros menores, e com menos energia, enquanto em outras partes se iniciará outros universos com o material do espaço denso.
    O universo possui três formas fundamentais de produção
    1 – uma estrutural, que produz a matéria e da forma a ela,
    2-outra de ação que dá vida a matéria, que são as interações físicas, energia e radiação no interior dos astros.
    3 – de produção de novos astros e elementos químicos.

    SOBRE A FORMAÇÃO E IDADE DOS ASTROS DO SISTEMA SOLAR

    Confirma-se que os asteróides não são perfeitamente redondos, pois na sua maioria são um pouco achatados e alongados. Confirma-se que eles são resultados de blocos de material expelidos de algum planeta ou do Sol, sendo massas mais inteiriça e produzidas de um só momento, enquanto planetas e satélites são astros redondos, onde se confirma que houve uma formação lenta de sobreposição de componentes de seus primários expelidos por radiações. Isto se confirma que os esféricos levaram mais tempo para se formar, e confirma a teoria aqui exposta.

    Terceira parte.

    COSMOFÍSICA DE INTERAÇÕES E ENERGIA.

    O universo não poderia surgir de uma bola de energia ou matéria para explodir, pois surgiria à pergunta, da onde surgiu esta bola de matéria, e quanto tempo ela estava ali antes da explosão, e o que a formou.

    Vemos que a produção da matéria e energia é um processo constante de fusões nucleares, evolução de elementos químicos e estruturação de novos astros e galáxias no espaço e outros constantes fenômenos que formam o nosso lento universo. Logo, o universo é sem inicio e sem fim, no tempo, no espaço, na materialização e produção.

    A fase da astrofísica e cosmofísica, que é da produção de energia, radiação e a da desintegração por radiação e integração de material com menos temperatura no espaço, e onde surgiram os astros periféricos.

    Se o universo tivesse surgido de uma grande explosão a matéria já existiria antes do universo, e isto não e possível de ser, o que vemos na verdade é que a matéria é parte de um processo lento, como é lenta a formação dos elementos químicos, como é lenta e constante a formação dos astros e do próprio universo.

    Uma das provas contundentes da formação lenta do universo e do seu inicio de fora para dentro se fechando sobre si até tornar-se materializado, e que os astros são constituídos de camadas com maiores e menores densidades, com várias camadas umas sobre as outras, e um resfriamento progressivo até o interior dos astros. Logo, o universo não surgiria de um ponto, de dentro para fora.

    ESTRUTURAS EM CAMADAS.

    Assim, o universo por ser um processo lento, e de fora para dentro e feito de camadas, constatamos na rotação e dinâmica dos anéis de Saturno, como também na estrutura do átomo, e na estrutura do planeta Terra, ou mesmo na atmosfera da Terra e de Júpiter. A matéria e o universo são feitos de fora para dentro pelo espaço denso, e os astros também pelo material da radiação.

    Uma grande explosão não daria inicio ao universo, pois se fosse o caso ele já existiria antes da explosão, e o que produziria a estrutura e a energia para explodir.

    Os elementos químicos pesados também são produtos de um processo lento de formação.

    FASES – VÁRIOS UNIVERSOS.

    Há vários universos. O de bolha de espaço denso, o de energia de espaço denso, e o da matéria livre no espaço, e o da matéria estruturalizada em astros e radiação e altas temperaturas.

    Os campos, átomos, astros e o próprio cosmo como um todo são determinados pela energia e intensidade das interações físicas em que eles se encontram como também as órbitas, dinâmicas dos astros e átomos. Mesmo a evolução dos elementos químicos e evolução da matéria e astros e do cosmo como um todo é resultado da intensidade das interações físicas e produção de energia.

    As estrelas brilham graças às fusões nucleares espontâneas em seus núcleos, onde elementos leves são transformados em elementos químicos pesados.

    Vemos no universo que enquanto umas estrelas minguam outras floresçam tudo isto se dá num processo lento de criação e transformação em novos elementos e novos astros.

    Com isto o cosmo se torna infinito na sua origem e na produção, vemos que há vários tipos de universos uns mais velhos, outros mais novos e outros diferentes, que é criado por um Deus calmo, construindo cosmos, seres e almas para o bem.

    CONTESTAÇÃO DA EXPANSÃO.

    O que dá uma aparência de haver uma imensa expansão são a translação e a rotação das galáxias, na verdade a translação é imensamente maior que o afastamento entre os astros.

    Se os astros estivessem se afastando em linha reta pela idade proposta até aqui do universo, todos os astros estariam tão distantes que seria impossível de ver nem o Sol, quanto mais o vermelho do efeito Doppler. Conclui-se que o universo não está em expansão, mas sim em translação e rotação, e um afastamento mínimo bilhões de vezes menores do que qualquer translação.

    Todas as galáxias estão se abrindo como um girassol, ou seja, se afastando do seu centro, e em translação e rotação por isso que temos uma noção de uma imensa expansão, porém isto é uma aparência do efeito da translação e rotação das galáxias, pois do contrário elas estariam infinitamente distantes uma das outras, sendo impossível de registrar a sua posição ou mesmo qualquer forma de luz, até mesmo do Sol. Uma vez que possuem origem infinita e produção constante.

    Por isso temos a noção de que todas estão se distanciando do Sol, pois com a rotação e a translação o efeito Doppler para o vermelho é registrado com maior intensidade, e que dá uma aparência de que o Sol está no centro do universo, pois o movimento é mais translacional e rotacional do que de afastamento.

    Se a expansão fosse produto de uma grande explosão as galáxias estariam infinitamente distantes e já estacionadas no espaço.
    Assim, por ser possível detectar a aparência das galáxias e a sua dinâmica, constata que o universo não se originou de uma grande explosão e nem a suposta expansão é produto de uma grande explosão, logo o universo é infinitamente velho, e a sua suposta expansão é origem e produto da sua radiação, e é freado pelo espaço denso. E parte do que detectamos como expansão é a aparência da translação e rotação das galáxias.

    Com o tempo para a formação da matéria, com o tempo da evolução dos elementos químicos, formação dos astros, esferficação da estrutura externa dos astros, se vê que o universo é infinitamente velho, logo se a suposta expansão é relacionada a uma suposta grande explosão não daria para detectar a existência das galáxias no espaço, pois estariam infinitamente distantes.

    Como também, da onde surgiria a matéria para produzir uma grande explosão.

    A origem da matéria pelo espaço denso, evolução dos elementos químicos, formação e esferificação quase que perfeita dos astros, camadas de atmosfera e de estrutura dos astros e a existência das galáxias confirma a teoria da origem do universo pelo espaço denso, a produção do universo pelas interações físicas e fusões. E a dinâmica pela energia, impulsão pela radiação e pelas interações físicas, como também o freio cósmico da dinâmica dos astros pelo espaço denso.
    Assim, o universo não foi produzido num só momento numa grande explosão e também não se encontra em expansão, mas sim num afastamento mínimo e insignificante, bilhões de vezes menores do que qualquer velocidade de translação e é fácil visualizar.

    Se o planeta Netuno tem tantos quilômetros de afastamento do Sol e ele desenvolveu até hoje quantas voltas em torno do Sol e com que velocidade. Este cálculo serve para qualquer astro.

    CÁLCULO DE AFASTAMENTO DO UNIVERSO.

    Afastamento em km do primário / número de voltas sobre o primário * arco da distancia em km da translação = o valor aproximado de afastamento de um astro desde o inicio da sua formação.

    Exemplo.

    O raio do Sol até a Terra tem 150.000.000 de km, sendo que o circulo em volta tem aproximadamente 3.5 vezes este raio, e que a Terra já deu mais de 1.000.000 de voltas, ou seja, para calcularmos o afastamento da Terra, temos que; dividirmos 1 raio / [pelo arco da translação multiplicado por numero de voltas].

    150.000.000 / 750.000.000 * número de translações da Terra sobre o Sol.
    1 / [3.5 * 1.000.000] = 0. 00000002 km por ano.

    Ou seja, o afastamento da Terra é menor do que 1metro por ano, enquanto o planeta desenvolve um percurso de translação de mais de 750.000.000 km por ano.

    Não foi levado em conta aqui o tempo para a esferificação do planeta.

    Com isto se conclui que o alargamento é insignificante em termos observacionais, porém este afastamento é fundamental. Pois enquanto um planeta se afasta, vai dando lugar a outro para ser produzido, é como uma produção organizada, e que ao se afastar do Sol ele vai processando a sua energia e esfriando, dando condições para que a matéria evolua e a vida possa brotar e ter um corpo vivo de matéria evoluída.

    E que a aparência para o vermelho é resultado da translação e rotação, pois o afastamento é insignificante. Logo, o universo se encontra num mínimo afastamento imperceptível e não em expansão, pois se o que é observado fosse uma expansão os astros estariam tão distantes uns dos outros que da Terra não daria para ver o Sol, nem de telescópico. Assim, lhes proponho uma outra teoria, que é a do universo fluxonário estruturante.

    Com isso se conclui que não existe uma expansão, mas sim um afastamento mínimo, quase insignificante. Porém fundamental para os processos de energia do astro e de todo sistema em que ele faz parte, e o que dá a aparência ao vermelho no efeito Doppler é o deslocamento da translação dos astros e a rotação das galáxias no espaço.

    Isso serve para todos os sistemas de universo na forma de matéria e energia.

    COM A TEORIA DA ENERGETICIDADE É POSSÍVEL PROVAR

    1- a progressão das distancias entre os planetas, em que os mais distantes o afastamento sempre aumenta e é maior.

    2- E, por que Júpiter é mais de 100 vezes maior que a Terra.

    3- Por que Plutão é o primeiro planeta e está a mais de 75 vezes mais distantes do que a Terra em relação ao Sol.

    4-Por que Saturno e Júpiter possuem mais de 10 satélites enquanto os dois mais próximos não possuem satélites. E por que o numero de satélite aumenta conforme o diâmetro do planeta.

    5- Por que Júpiter possui uma rotação mais de 100 vezes maior que Mercúrio.

    6- por que os maiores astros, como estrelas, planetas e satélites são esféricos.

    PROVA.

    Constatação de que os astros esfriam e mesmo em relação aos planetas que quanto mais distantes do Sol são mais velhos, com mais energia já processada e gasta e são mais frios.

    Os planetas se formaram de dentro para fora, por camadas de energia e matéria expelidas do Sol, sendo aglutinadas para formar os planetas e satélites, isso se confirma na aparência da atmosfera de Saturno e Júpiter, as camadas que forma a terra e a esferificação.

    TEMPO DE VIDA DO UNIVERSO.
    Com o exposto acima o universo é infinito na sua origem e sem fim, no espaço e no processamento.

    SOBRE A ORIGEM DOS SECUNDÁRIOS E SUA DINÂMICA.

    FILAMENTOS DE ATMOSFERA E ESFERIFICAÇÃO.

    Aparentemente, há alguma coisa colorida na atmosfera de Júpiter, e essa atmosfera se espirala de tal forma que as substancias coloridas se concentram amplamente em certas latitudes e se espalham para formar os cinturões. Por isso ocorre em certas latitudes e em outras, não se pode dizer – ainda nos é difícil explicar a circulação da atmosfera terrestre, e no momento não temos esperança dos intricados detalhes da atmosfera de Júpiter.
    Se fosse apenas uma questão de rotação, poderíamos esperar que os cinturões de Júpiter fossem perfeitamente retos e uniformes, eles não o são. Há sempre pequenas saliências, reentrâncias, e manchas aparecendo de um momento para outro, expandindo-se, contraindo-se, escurecendo, clareando. Talvez seja resultado de tempestades jupterianas, suficientemente violentas para alterar a circulação normal da atmosfera, que produz os cinturões, seguindo cursos ditados não somente pela rotação do planeta, mas também por irregularidade da superfície sólida situada abaixo, ou radiação e atividades tectônicas.
    Nos anéis de Saturno também há estas irregularidades e uma rotação mínima, e no satélite Amaltéia se constata que ele acompanha com sua translação a rotação de Júpiter, como um filho próximo da mãe.

    Isso só nos vem confirmar o exposto até aqui, que os satélites se originam de filamentos de gases da atmosfera dos planetas, e que a translação se origina juntamente com a origem do próprio satélite, ou mesmo pode-se dizer que eles antes mesmo de ser um astro já se encontram em dinâmica.

    A rotação do primário espirala e condensa próximo do equador a atmosfera, aonde deste espiralamento de gases vai formar novos astros, que estes gases já se encontram em dinâmica translacional e variação e densidade na sua forma e estrutura.

    O gás que formam um cinturão espiralado se processa e locomove para um só ponto próximo do equador, por dois motivos, magnetismo do astro e centrifuga de rotação, onde vai começar a dar inicio a uma esfera, que é o processo de esferificação que se tornará em astro. Ao se formar ele se distanciará dando condição a outros sucessivos que virão a se estruturar.

    Assim, os caminhos são,

    1-Formação da atmosfera pela radiação, e deslocamento desta atmosfera sobre o astro pela própria ação da radiação.

    2-Espiralamento da atmosfera pela rotação do astro e deslocamento da atmosfera, que se desloca próximo ao equador.

    3-Esferificação desta atmosfera espiralada com translação.

    4-A esfera além da translação e afastamento que já possuía, passa também a se distanciar do primário que o formou. E o processo continua, enquanto o astro se afasta e translada, também passa a produzir a sua rotação.

    Por isso que quantidade de translação, afastamento e rotação dependem de toda energia em processamento do astro, que vai produzir toda radiação do astro no espaço. E por isso que ao envelhecer toda dinâmica tende a diminuir, pois já gastou quase tudo que podia.

    DINÂMICA LIVRE, PRÓPRIA E DECRESCENTE PELA ENERGIA.

    Confirma-se que a dinâmica é própria do astro e proporcional a sua energia, e que os astros estão livres no espaço, e esta liberdade e radiação fazem com que eles se afastam de seus primários. Logo, se eles se afastam por radiação não podem ser atraídos.

    CONCLUSÃO.

    COSMOFÍSICA.

    Considerações.

    Provas de que o universo são processos de estruturação infinita.

    O que prova que o universo se estrutura por um processo lento é através da esferificação dos astros e que a terra ser formada de núcleo e camadas, pois prova que os astros são formados de sobreposição de materiais pequenos que foram expelidos por outros. Pois se o universo fosse produzido num só momento por uma grande explosão a terra seria formada por um bloco inteiriço.
    Com a esferificação e camadas se prova que o universo é bilhões de vezes mais velhas do que se pensa hoje.

    E se é infinitamente velho e considerando a velocidade e a aparência para o vermelho observada, com isto se conclui que não veríamos o sol e nenhuma estrela no espaço, pois o tempo que se encontra em velocidade elas estariam infinitamente distantes, e não seria capaz de observar nenhum astro no espaço.

    Considerações sobre uma teoria da cosmologia e astronomia.

    Uma teoria da cosmologia e astronomia deve se fundamentar no universo geral, da origem da matéria, das partículas, origem dos elementos químicos e sua estruturação, processamento, e evolução, fusão nuclear dos astros, radiação, temperatura, estruturação e estrutura dos astros, o universo como um sistema em evolução na sua constituição macro, geral e micro.

    O que é o universo.
    É espaço denso, matéria densificada, processos e estrutura, fluxos e evolução, sem inicio e fim.

    A estrutura do espaço denso.
    Como os gases que são leves, invisíveis e flutuam o espaço denso é milhões de vezes menos densificado.

    Hipótese falsa da grande explosão.
    Tudo antes de explodir primeiro tem que ser formado de algum elemento, ou alguma estrutura de matéria ou espaço denso, logo é falsa a hipótese da grande explosão.

    Sobre o tempo cosmológico.

    O tempo cosmológico é o tempo que representa a energia e processamento num sistema de astros.

    Cosmofísica.

    Universo de processos ínfimos.

    O que componhe e determina o cosmo na sua estrutura são os seus processos físicos, produção de partículas e elementos químicos e sua evolução, nos núcleos onde as fusões estelares acontecem, ou seja, o universo micro determina o macro e o geral, um sistema de galáxias só vai se abrir conforma a intensidade de processos físicos que são produzidos no sistema. Ele terá luzes e formas e fluxos, componentes químicos, fusões conforme o processamento físico geral.

    Da multiplicidade do universo.

    O universo é múltiplo, ou seja, são vários em vários estágios de origem, processamento, estruturação, fluxo e desintegração.
    Ele tem origem pela densidade do espaço que forma a matéria, depois a energia e durante o processo forma os elementos químicos e os astros.

    Do fluxo do universo.

    O universo se estrutura de fora para dentro [ por integração do espaço denso] depois de dentro para fora [ por desintegração da matéria ] pelos processos e fusões da matéria e nos núcleos dos astros.
    Volta a se reintegrar formando astros menores e com menos energia, depois se desintegra em radiação, e se reintegra em astro, e o fluxo e processos continua até a matéria se tornar difusa e com pouca energia.

    Como exemplo se tem do espaço denso e a matéria, da matéria ao astro, a estrela que produz radiação, que vai produzir planetas, que vai produzir radiação e atmosfera, que vai produzir radiação, anéis e satélites, e o fluxo e processos estruturantes e desistruturantes continua infinitamente até a matéria difusa.

    Onde leva a matéria evoluir e produzir os elementos químicos. Assim o universo é infinito e sem forma determinada.
    Assim, o universo se encontra em contração e alargamento interno, mas não em expansão e sim em afastamento ínfimo, se encontra em translação e rotação, estruturação, fluxos e evolução de seus componentes.
    Enquanto uns começam a sua origem, outros se encontram em fluxos e processos, enquanto outros já se encontram na fase final que é em matéria difusa.

    Cosmofísica nuclear.
    Fusões nucleares.

    As fusões nucleares das estrelas mantém por um bom tempo a temperatura dos astros, com isto faz com que o universo se processa lentamente, e possa manter o seu fluxo e evolução da matéria e elementos químicos e ajuda a transforma elementos leves em pesados, e vai produzir a energia e dinâmica dos astros, por isto que os secundários mais distantes possuem menos dinâmica e as órbitas são mais irregulares. Ou seja, satélites de planetas, planetas de estrelas.

    Assim, o universo e seu fluxo e estruturação se deve a sua produção de energia, como também a evolução dos elementos e a dinâmica dos astros.

    A produção de energia vai determinar também as camadas e esferificação dos astros.
    Universo não expansionista e não estacionário.
    Assim se confirma que o universo se encontra em afastamento ínfimo e não em expansão, e não se encontra estacionado pois possui rotação, translação, fluxos, evolução e outros fenômenos.

    Evolutivo.
    Encontra-se em evolução na sua estrutura micro e macro, dos elementos aos astros. E se eterniza como matéria com densidade difusa
    .
    Não é curvo e nem reto.
    Observação.
    A teoria da energeticidade e radiação que trata da astronomia será apresentada em outro texto. Com mais de cento e dez fórmulas provando as duas teorias, pois uso diâmetro, radiação, temperatura, rotação e velocidade equatorial. E não uso distancia massa ou gravitação.

    12:34 PM
    Post a Comment

    << Home

  2. TEORÍA del UNIVERSO FLUXONÁRIO ESTRUTURANTE del ESPACIO DENSO, y
    TEORÍA del ENERGETICIDADE y del MASER.

    Autor – Ancelmo Graceli Luiz.

    Ancelmoluizgraceli@hotmail.com
    Teléfono. 27- 32167566 calle Itabira, nº 5, conjunto de Itapemirim,
    Rose del Penha, de Cariacica, de -269, del brasilen@o de E.S.
    cep.29143, del profesor, de la graduación en filosofía y del
    investigador teórico. ASTRONOMÍA publicada de los libros, y MUNDO de
    las INTERACCIONES FÍSICAS.

    Colaborador – Marcio Piter Rangel.

    Actual trabajo el alcohol el Brasil Santo de la secta. E la sociedad
    brasileña de la física. La introducción publicó en el WEB
    para el factor del Brasil del vestíbulo – acanale el perfil. En el
    día 30.01.2008. ¿Si otras teorías con lechos y usted formulan había
    tenido aceptación, por qué éstas no tiene? Por lo tanto, los
    possesss todos los lechos y todas las formas de cálculos, y de ése
    la realidad y el comentario hasta que está alcanzado hoy se confirma
    con. Con más de cientos y diez fórmulas, las formas más variadas de
    si calcula un mismo fenómeno, con más de doscientos lechos en todas
    las áreas de la física moderna. También, con nuevos pronósticos
    dentro del cosmology y de la astronomía.

    Presentó el compartimiento de la educación del SBFISICA. Soced.
    Sujetadores. de Física. Diario brasileño de la física – SBFISICA

    PRESENTACIÓN.

    Las teorías defienden la potencia vital el fantasma santo y en cosmo,
    la vida, la mente y toda más, contra el mecanicismo y el materialism.
    Con lechos poderosos en posibilidades como de todo los possesss un
    origen y el apuntar para la potencia el fantasma santo adentro
    encamina la vida, la armonía, la perfección, la mejora y la
    eternidad en el detrimento al caos y al extremo.

    En cosmology se defiende el universo que si estructura como secuencia
    de la producción y de la destrucción de astros. En astronomía se
    defiende que el movimiento es producido por la energía apropiada del
    astro. INTRODUCCIÓN.
    TEORÍA del ORIGEN de la SUSTANCIA y del COSMO, y UNIVERSO FLUXONÁRIO
    ESTRUTURANTE.

    Esta teoría es la que más está venida cerca de la potencia del
    dios. Por lo tanto va contra cualquier forma de caos.

    CASI NADA TODO PUEDE APARECER – EXCEPTO DIOS.

    El UNIVERSO es Una CREACIÓN AUTO, SIN EMBARGO, Una MANO DE OBRA de
    este TRANSPORTE SOLAMENTE PUEDE TENER la POTENCIA del CREADOR.

    Esta teoría va de satisfacer a la armonía y a la eternidad cósmica
    en el detrimento al caos y del finitude del universo considerado para
    la teoría de la gran explosión. Mientras que uno entra en la
    secuencia de la desintegración y de la reintegración con poca
    energía, otros son más distantes llevado del aglutinação del
    espacio denso.

    COSMO ESTRUTURANTE Y DESINTEGRANTE.

    Modelo De Graceliano. El universo es secuencia constante e infinita.

    Primera parte.

    TEORÍA de la BURBUJA DEL ESPACIO y DE LA ENERGÍA DENSOS.

    Mientras que en la teoría de la gran explosión el universo si se
    amplía de una punta del espacio y de una cantidad pequeña de
    energía, y es la solamente – DEL EXTERIOR PARA EL INTERIOR – en la
    teoría del universo de la burbuja si contrae del espacio denso para
    producir la sustancia y la energía de algunas puntas del infinito del
    espacio, en una producción constante de universos nuevos en algunas
    puntas del cosmo. O cualquiera, se contrae para producir la sustancia
    para más adelante el formar de los astros y si se amplía para el
    MASER. E es algunos universos en puntas infinitas del cosmo en fases
    infinitas.

    De nacimiento en la burbuja de la fase del espacio denso – ponga en
    fase la fase de la energía estruturante-Estruturante-Na, en la fase
    de la sustancia y la fase de la desintegración, desatar y retiro en
    el espacio para el MASER apropiado de la densidad de la sustancia. La
    formación de la reintegración de E secundaria del material irradió
    para la escuela primaria.

    PASOS PARA LA FORMACIÓN de la SUSTANCIA, de ELEMENTOS, de ASTROS y De
    los UNIVERSOS.

    Así, el espacio denso si contratos hasta que siendo filamentoso – la
    sustancia difusa llega – la sustancia densa – energía – las memorias
    difusas – astros – fusión nuclear – los elementos químicos – de
    elementos ligeros en – MASER – reengrupamentos pesados en los astros
    nuevos, secundarios – se vuelve si para desintegrarse – y el proceso
    continúa hasta que si sustancia difusa que se convierte.

    COMENTARIO.

    No nos sentimos que la acción del espacio denso porque estamos en un
    universo en una fase que estaba ya changedded en sustancia.

    FÓRMULA PARA LA CONTRACCIÓN DEL ESPACIO DENSO.

    El espacio denso si los contratos y disminuye de talla para producir
    la sustancia, y si da en una contracción y una reducción infinita,
    con las cuales puede ser calculado formula del límite infinitesimal.
    Pero uno que ha dejado todo, dividido para todos, así infinitamente.

    Espacio denso ED – espacio denso total de la parte p si
    structuralizing. Así, infinitamente, hasta changedding en energía y
    sustancia.

    Ed – P/ED… hasta llegar a ser energía y sustancia.

    Así, tenemos el fórmula para la formación de la sustancia, energía
    y para el origen del universo.

    UNIVERSOS INFINITOS EN LAS FASES ESTRUTURANTES Y DESINTEGRANTES.

    PRIMERA TEORÍA del ORIGEN y de la NATURALEZA de la SUSTANCIA.

    Era mirada siempre por los filósofos y las químicas griegas, más
    adelante para la física moderna una explicación para el origen, la
    naturaleza y la esencia de la sustancia, donde el mundo fue dividido
    ocasionalmente en forma y estructura, alcohol, mente y sustancia, por
    lo tanto muestro que la primera teoría de ésa la sustancia puede
    aparecer y de eso está formada, que aquí está de filamentos del
    espacio denso, miraba siempre a la sustancia para la sustancia y el
    dividiz él infinitamente del átomo de los Griegos hasta el ciento de
    las partículas que se catalogan hoy. Comentario
    – ninguna teoría visualizó hasta obtenido hoy a la elasticidad un
    decreto de eso que originó la sustancia. Todos se van pronto de
    estimado algo.
    CÁLCULO DE LA FORMACIÓN DE LA SUSTANCIA Y PARA COSMO ESTRUTURANTE.

    Para poder de la contracción del espacio denso = cantidad de
    sustancia densa del tiempo = del estruturante de space/cosmological y
    de cosmo y de fases.

    CÁLCULO PARA COSMO DESINTEGRANTE.

    Para poder de la desintegración = de la cantidad de sustancia, de
    temperatura, de base de fusión a estelar, MASER y tiempo de
    energy/cosmological.

    Pd*[qm ]/t c.

    ESPACIO Y SUSTANCIA DENSA, Y ENERGÍA Y ASTROS.

    El universo no formado de la gran explosión, pero sí del espacio
    denso, espacia denso es todo el espacio que en él lo rodea, que
    tenemos la noción que es un gran vacío, pero no es, él densidad
    de los possesss, y de él la sustancia y la energía si había
    originado para formar los primeros astros, galaxias y acumulaciones.

    ROTACIÓN y TRADUCCIÓN del UNIVERSO.

    La extensión es falsa, es en la verdad una traducción y una
    rotación y un mínimo de retiro.

    Qué tenemos la noción de una gran extensión del universo es en la
    verdad la traducción y la rotación de exactamente. Por lo tanto, si
    es infinitamente vieja y hubiera comenzado si para ampliarse en el
    momento de supusiera una gran explosión, los astros serían los tan
    distantes de los otros que ni su luz sea capaz ser tomado por
    cualquier tipo de telescopio.

    El FORMATO del UNIVERSO.

    La disposición de las galaxias en discos con los sistemas de
    estrellas también en prueba del disco que el universo es un proceso
    de estruturação y pasa para las secuencias, por lo tanto había
    aparecido en un momento solo en una gran explosión que el formato del
    universo sería esférico, o cualquiera con todos los astros en un
    mismo distancia de un centro, y que también con la misma traducción
    y rotación.

    Comentario. Tenemos ya aquí un decreto del origen y de ese cosmo
    material si están formados. Lechos no visualizados hasta hoy para
    otras teorías.
    La ENERGÍA PRODUCE el MASER QUE PRODUCE el MÍNIMO del RETIRO.

    Tiene sí un retiro mínimo el proceder de la acción del MASER y de
    las altas temperaturas, retiro producido para la energía procesada
    para la fusión nuclear en el interior de los astros.

    UNIVERSO DE LA ENERGÍA ESTRUTURANTE. O UNIVERSO DE LA CONTRACCIÓN Y
    DE LA DESINTEGRACIÓN.

    El universo pasa para dos procesos – primero de la formación de la
    sustancia y de la energía para la contracción de los filamentos del
    espacio denso.

    En fecha la formación de los astros, sus procesos de la energía y la
    producción de la temperatura a la relación de transformación que la
    sustancia si aglutina, con la sustancia aglutinada son gran cantidad
    producida de energía y temperatura, dando brotando el MASER y la
    desintegración consiguiente del astro en el espacio. Para eso está
    una secuencia el universo de la energía del estruturante, donde
    primero si contrae paradas más adelante si se desintegra y si separa
    unos desde los otros, siempre en pocas porciones.

    Es Una SECUENCIA PORQUÉ SI CONTRAJE DE ESPACIO DENSO HASTA la
    SUSTANCIA, DE LA SUSTANCIA EN ASTRO, SI SE DESINTEGRA EN EL MASER, SE
    VUELVE el REINTEGRAR-SE EN POCO ASTROS y CON POCO DIÃMETRO y
    ENERGÍA, QUE SE VUELVE DESINTEGRAR-SE. La SECUENCIA De E CONTINÚA
    INFINFINITAMENTE. HASTA SI SUSTANCIA DIFUSA QUE SE CONVIERTE.

    El mismo proceso pasa partículas y los átomos.

    La PRODUCCIÓN de SECUNDARIO para el MASER y la ATMÓSFERA.

    Pieza del MASER si también transforma en la atmósfera, eso va
    siempre a dirigir para el ecuador, adonde va a formar cinturões de
    gases pues es la caja de Júpiter, o en un período más avanzado del
    entrenamiento los cinturões entran formar los anillos que son la caja
    y el Uranus de Saturno, de estos anillos van a formar acumulaciones
    pequeñas de gases, que más irán siempre a aglutinarse más y, donde
    aparecerán las primeras memorias rarefied, y el proceso de
    aglutinação continúa, donde los secundarios comienzan a aparecer
    exactamente antes si forman, pues los gases ellos poseen ya la
    traducción y la rotación y si se mueven lejos desde las escuelas
    primarias. O cualquiera, antes de existir como astro el secundario
    desarrolla ya su traducción.

    PRUEBE para el FORMATO y DINÃMICA de la ATMÓSFERA.

    Esto se puede confirmar con la pista, en donde su atmósfera ya menos
    concentrados más en el ecuador y en las regiones polares, procediendo
    del magnetismo de la acción de la pista y del centrifuga de la
    rotación, y que la dinámica apropiada de los possesss de la
    atmósfera. Que será filamentará hasta llegar para dar comenzar a un
    satélite nuevo. Sin embargo esto no está para hoy. El MAGNETISMO de
    la ESCUELA PRIMARIA ACELERÓ la FORMACIÓN de la SECUNDARIA.

    Si no fuera el magnetismo y la acción del centrifuga de la rotación
    de los astros, sus secundarios retrasarían hora de no formarse. El
    centrifugam por lo tanto del magnetismo y de la acción actúa en la
    producción de los filamentos de los gases para el ecuador y en la
    producción de estos filamentos en el proceso de esferificação,
    donde aparecerán las memorias rarefied, hasta la formación de astros
    nuevos.

    E que la secuencia continúa de la desintegración de la escuela
    primaria para el MASER que procede de la producción energética, para
    la producción de la atmósfera y de aglutinação en los filamentos
    para la acción del magnetismo y del centrifuga de la rotación del
    astro apropiado hasta llegar el esferificação, también con el
    magnetismo de los gases.

    FASES DE LA SECUENCIA.

    1 – con la contracción de los filamentos del espacio denso para
    formar la sustancia y después de la sustancia producida si forma en
    astros. Con los astros formados pasan si para desintegrarse como forma
    de MASER y de temperatura.

    2 el material de la desintegración se vuelve si al contrato y a los
    astros del producto menos, y de estos otros menores de edad el proceso
    continúan. Esto si confirma donde los astros poseen el formato
    esférico. Por lo tanto la muestra de redondeo que tenía un proceso
    lento de la formación a través de los materiales de los cuales
    había aparecido están para adentro, donde para aglutinação estaba
    lentamente si el astro structuralizing. Confirman porque las memorias
    son más densas y la pista es formada por capas y memorias.

    En el caso de la producción de los planetas para el sol, la
    atmósfera ni llegado si a la forma, y al MASER era pronto si
    filamentando a esferificar y aparecer los planetas.

    UNIVERSO INFINITO en la EDAD, el ESPACIO, y el PROCESO.

    La prueba de esferificação que el astro fue producido por capas de
    material del MASER para la yuxtaposición – una en la otra, porque que
    las memorias son más densas, que fueron probadas ya en la física del
    átomo. E la prueba de redondeo que tomó a mucho más tiempo esta
    formación circular, después el universo es un proceso mucho más
    lento y más constante que si puede imaginarse. Así, el redondeo del
    universo prueba la teoría de la secuencia y que todo el universo de
    hoy no apareció en un momento solo, son algunos universos en algunas
    fases si el proceso y si structuralizing, mientras que una cierta edad
    para pierde y energía que procesa, otros ellos aparecen para el
    espacio denso. Estas fases si confirme para el comentario actual, así
    el universo es infinito en el origen y el extremo, el espacio y su
    proceso.

    FASES DEL UNIVERSO. BURBUJA ESTRUTURANTE Y FLUXONÁRIO de los
    UNIVERSOS.

    1 origen – burbuja del universo del espacio denso y burbuja de la
    energía. 2 tipo – fluxonário del estruturante, si contratos para
    producir la sustancia de la burbuja del espacio denso. Más adelante
    si después de amplía la contracción y la producción de la
    energía, de la temperatura y del MASER. 3 forma a existir – energía
    de los procesos de producción. 4 cantidades – algo casi pulsa adentro
    algunas fases, de la burbuja hasta astro sin energía. 5 talla –
    infinita en la producción de universos nuevos, el infinito en el
    espacio y el tiempo. 6 formas infinitas y variadas de la forma -, de
    burbujas, gases, sustancia difusa de la energía, densos y menos
    densos, astros, anillos, MASER, atmósfera, etc. estruturante 7 de la
    sustancia y del cosmo.

    CREACIÓN MÁGICA – SUSTANCIA Del ESPACIO DENSO.

    Antes si el discurso de la creación del universo, él se debe hablar
    de la creación de la energía y de la sustancia, por lo tanto era de
    la sustancia que apareció los astros.

    REDONDEO y ESFERIFICAÇÃO del ASTROS.

    El esferificação de astros la prueba que,

    1 fue formado para que un proceso lento tenga el formato
    esférico, el contrario que no sería.

    2 fue formado de las piezas mínimas que habían sido si el joust que
    localiza para formar astro, el contrario no tendría la formación
    redonda. Uno ve que mientras que los anillos de los possesss de
    Saturno y de Uranus de gases en la ruta del ecuador, Júpiter él los
    possesss a la pila de la atmósfera que está en el movimiento en la
    ruta del ecuador, donde si confirma el origen de los astros para los
    componentes de la escuela primaria.

    3 los astros son más viejos de el que si piensa. Su base de E es más
    densa de la que la parte exterior, y la pista del planeta es formada
    por capas formadas encendido.

    4 Fiz un cálculo para la edad de la pista, no obstante fue tomado en
    cuenta solamente el retiro, y no de él hora para el esferificação,
    que era probablemente muy más grande.

    5 la prueba que el universo tiene su origen a través de elementos muy
    pequeños, de que había sido si ensambló formar los astros, pues las
    piezas mínimas del MASER, los gases, luz y las sobras de grandes
    temperaturas.

    6 el universo se tiene allí si la formación para las partes
    mínimas, como energía y sustancia, del interior para la parte
    exterior está con las memorias más densas que la corteza -. A un
    universo mucho más viejo, más redondo e infinito en el tiempo del
    final y del origen, el infinito en la relación su producción,
    después, que nunca aparecería en un momento solo en una gran
    explosión.
    MASER EN LA FORMACIÓN DE SECUNDARIO.

    Así, con el formato de los astros si tiene más una prueba de la
    teoría del universo del fluxonário del estruturante. Para la
    compresión del espacio denso, y desintegración para el MASER y la
    temperatura, y una nueva compresión de este MASER en el espacio,
    formación nueva pocos astros, como los planetas, los satélites y
    cometas. E el proceso del estruturante y del desintegrante continúa
    produciendo los asteroides y otros que serán desintegrados siempre
    produciendo astros y pocos asteroides.

    Los universos solamente del espacio denso, gases, energía, sustancia
    difusa, sustancia existen y los astros y los gases, luz y MASER, con
    esto si confirma la teoría aquí utilizada de ésa el universo no
    tienen edad, por lo tanto él no son una producción y una
    desintegración infinitas de sí mismo exactamente. E mientras que
    algunos desintegran otros en otras puntas del infinito del espacio
    empieza si a la forma lentamente para el espacio denso.

    Si el cosmo fuera producido en un momento solo, los astros no
    tendrían una forma esférica así que definido, algunos serían
    largos y aplanados otros.

    EN El ESPACIO, La SUSTANCIA Y La ENERGÍA DENSOS.

    La energía existe en la función de la sustancia, desde su
    producción hasta su portador también para el aire, por lo tanto la
    sustancia contiene y produze la energía, por lo tanto la energía no
    tiene en cuanto a existe sin la sustancia, y la sustancia si origina y
    es espacio denso del densificado.

    SUSTANCIA Y ENERGÍA = ESPACIO DENSO DENSIFICADO.

    No tiene en cuanto a habla de un universo dé que si origina de una
    bola pequeña en una gran explosión, por lo tanto que el origen de
    esta bola, y donde vino la energía para el explodiz él.

    La gran explosión contiene varía contradicciones y la carencia de
    los lechos del origen, de la causa y del efecto.

    ATMÓSFERA INTERPLANETARIA Y del ESPACIO.

    El espacio interplanetario se constituye del gas a uno [ presión de
    diez levantados menos a 19 atmósferas terrestres ]. Eso es una ruta
    que el espacio no es un vacío sin la densidad, presión, y no es
    un vacío.

    SÚPLICA. Si la gravitación atrajera los astros, todos los satélites
    serían verticales entre el planeta y el sol, por lo tanto el planeta
    sostendría de una cara y del sol de otro, y estaría constantemente
    en eclipse. Por lo tanto que la dinámica depende de la energía y del
    MASER del astro. Para ver la teoría del energeticidade y del MASER.

    ASÍ TENEMOS LAS FASES DEL UNIVERSO.

    La fase del espacio del filamentosa de la densidad. El filamentosa del
    espacio de la fase de la energía. La fase de la materialidad –
    átomos químicos, y elementos. La fase de astros inmensos, con poca
    densidad, y poco MASER. La fase del aglutinação, donde estaba si la
    sustancia aglutinó, magnificando la temperatura interna y el MASER.
    La fase de la desintegración para la temperatura interna y el MASER.
    La fase de la formación de los astros nuevos para el aglutinação
    del material expelido del MASER de los primeros astros, así vemos que
    es una secuencia y un proceso de la integración, de la
    desintegración y de aglutinações nuevo.

    FORMACIÓN DIRECTA Para El ESPACIO DENSO, Y FORMACIÓN DE SECUNDARIO
    Para La SUSTANCIA FORMADA YA.

    El material que se convirtió en ya astro después de que no se vuelva
    para estar el espacio denso la desintegración, solamente este
    material si integra la formación nueva pocos astros. Así tiene dos
    procesos. 1 el proceso de la formación directa para el espacio denso.
    los 2 y procesos para la desintegración del astro produjeron ya, eso
    va al reintegrate ellos mismos y formar a otros menores de edad.

    Así, el espacio denso es inmenso todo, como jalea inmensa sin forma
    definida. El universo es un proceso de la forma directa para el
    espacio denso, y un proceso del ciclo, donde desintegran algunos y
    parte de su material va a construir otros. Con esto vemos que el
    origen, la producción y la época del universo son infinitos, y el
    sistema de la producción de universos es mucho más viejo de ése si
    se imagina, en trillones de años.

    E que existe algunos tipos de universos, unos de espacio denso, campo
    de la energía sin la sustancia, campo de la energía con la
    sustancia, los universos de memorias atómicas, los gases, sustancia y
    los astros si desintegra e integra otros.

    EVOLUCIÓN CÓSMICA Y EVOLUCIÓN De los ELEMENTOS QUÍMICOS.

    Así, el universo es una producción constante y de la evolución
    cósmica, producción y desintegración directa, y producción
    secundaria de la integración en astros nuevos, mientras que van los
    elementos químicos si procesan y desarróllanse.

    EN el RETIRO.

    El universo no sufrió una gran explosión para producir su retiro,
    pero sí, el retiro es producto del MASER, rotación y de las grandes
    temperaturas, que estimula los astros para el frente, modificando su
    órbita. O cualquiera, la fusión nuclear, la producción de la
    temperatura y el MASER producen el retiro más más bajo entre los
    astros. Para ése que tiene una relación de transformación entra en
    los distancias de los planetas y de los satélites.
    SÚPLICA.

    Si el universo hubiera sufrido a una gran explosión solamente las
    galaxias serían si separaron, y pocos astros como los planetas, los
    cometas y satélites no serían si separaron, y el retiro gradual
    prueba que todos los astros si hallazgo en retiro unos en lo referente
    a los otros, así, todos los astros si encuentran en el retiro que
    procede de su energía, MASER y temperatura externa.

    SÚPLICA.

    ASPECTO al ROJO para el EFECTO DOPPLER para la ROTACIÓN y la
    TRADUCCIÓN del COSMO.

    El frente que el universo no resuelve en la extensión, pero sí en
    retiro mínimo será considerado más, y lo que se detecta pues
    aspecto al rojo ni es este retiro. Por lo tanto es insignificante en
    quién él refiere a la rotación en el espacio, y qué da el aspecto
    al rojo en el efecto de Doppler es la rotación de la traducción y de
    la rotación de astros y galaxias en el espacio.

    RETIRO PARA LA ACCIÓN DEL MASER.

    Vemos entonces eso, el universo es una creación constante para los
    filamentos del espacio denso de sustancias nuevas nuevas y del cosmos
    para el aglutinação del bastidor y reintegrated los materiales ya,
    mientras que el otro cosmos se desarrolló más si se desintegra para
    el MASER y de alta temperatura, otros pocos astros si ellos integra
    con el material de eso que habían sido desintegradas ya y ésa van a
    desarrollar una órbita siguiente a ésa dio al impulso del origen y
    de la inicial él, para el MASER y la temperatura intensa. Así uno
    forma una producción directa para el espacio denso, y una producción
    para el ciclo de la desintegración y la integración para el material
    desintegrado, mientras que los elementos químicos se desarrollan. E,
    mientras que el universo si ensancha para el MASER producido para los
    astros apropiados. E no para supuso una gran explosión, por lo tanto
    el retiro es un proceso continúa para la acción del MASER, por lo
    tanto ese disminuye gradualmente y el impulso inicial tiende solamente
    para perder intensidad. Mientras que el universo material si se
    amplía, el universo de filamentos del espacio denso si los contratos,
    o cualquiera, él tiene dos situaciones reversas.

    El MASER está procediendo principalmente de las interacciones de la
    fusión nuclear en el interior de los astros. O cualquiera, el mismo
    fenómeno – el MASER que produce la órbita y la dinámica de los
    planetas y de los satélites, también produce ensanchar del universo
    y produce astros nuevos, y es el productor de la estructura de ellos,
    y de nuevos elementos químicos. Uno concluye así, ese cosmo es
    infinito en su origen y estará en su futuro, pues también él es
    infinito en el espacio y la nueva producción del cosmos, y los nuevos
    elementos químicos. El proceso de la creación lenta va contra el
    proceso de la creación instantánea considerado por la gran
    explosión. Probar la tesis visualizada sobre él es simple, está
    solo evidenciar que la extensión si los hallazgos en la progresión
    que disminuye. No obstante como fue visto ya, el universo si hallazgos
    en la producción y el retiro y no en la extensión. Así, mientras
    que se desintegra y se va uno para producir otros en otros cantos del
    universo el espacio denso si procesa dar al origen las galaxias del
    espacio provee de gas. Así, el universo es un proceso del nacimiento
    directo para el espacio denso, de ya sido nato, y nacimiento de otros
    natos de ya. Todo ocurre para un hashing directo de la sustancia en el
    origen, es un hashing del fluxonária en la producción de nuevos
    elementos químicos, de astros nuevos y de nuevas órbitas. Segunda
    parte.

    EN la SUSTANCIA.

    M = ED = and/t – la sustancia es igual el espacio denso del
    solidiquicado, de que es igual a la energía dividida por el tiempo.

    La sustancia se hace espacio denso de la energía sólida, o
    cualquiera, las partículas químicas y los elementos son en la verdad
    el espacio denso si procesa el energeticamente y produce la
    solidificación. E en un período más avanzado del evolutivo del
    entrenamiento. Así, la sustancia pasa para un proceso del evolutivo,
    y la sustancia – energía sólida hecha espacio denso
    – satisface siempre en una mejora, y pasa para un proceso lento y
    unificado por lo tanto que toda la sustancia y la estructura del
    átomo sean iguales.

    FASES DE LA FORMACIÓN DEL ASTROS.

    Nuestro universo no inició el anterior más más bajo a una gran
    explosión, sino que sí, infinitamente grande, entrando en una
    contracción para producir la sustancia, pasando para la energía
    sólida hecha que es la sustancia, para más adelante el
    structuralizing en partículas, producto químico de los elementos, y
    finalmente astros.

    O cualquiera, el universo no formó el instantaneamente de los astros,
    por lo tanto que los astros y los átomos poseen memorias.

    Primero es energía formada, más adelante la sustancia y finalmente
    los astros, diferentes de ése defiende la gran explosión.

    Así, los pasos del universo de la contracción. 1 del espacio para la
    energía y la sustancia. 2 de la sustancia para los astros.

    Después de la desintegración con el MASER y las temperaturas
    intensas. Pasa a la integración, donde los astros nuevos se forman
    del material del MASER. Así, el universo y una secuencia de los
    ciclos de la producción y estruturação y evolución, a través. 1 –
    Contracción y solidificación. 2 – Evolución química. 3 –
    Desintegración, retiro y dinámica del universo para la energía y el
    MASER. 4 – Integración de E en astros nuevos.

    E que la órbita, las dinámicas, el retiro y la desintegración del
    universo están procediendo de la energía y del MASER,
    convirtiéndose en el universo de la estructura aplanada, donde están
    los astros ya structuralized y en retiro gradual como él es los
    nuestros, mientras que otros deben circular y en la formación a
    través de los gases, y otros con tentáculos como grandes galaxias.
    COSMOFÍSICA y ASTROFÍSICA.

    PRODUCTOR DE SÍ MISMO.

    El universo es un sistema vivo y dinámico de la producción y de
    estruturação, donde produce su energía apropiada para su
    funcionamiento, estruturação y dinámica, siendo que la energía
    magnifica a la relación de transformación que va a llevar con su
    funcionamiento, y es un sistema de la secuencia, donde la misma
    interacción que produce el producto químico de los elementos,
    produce los astros para fundirse. E también produce campos, el MASER,
    altas temperaturas, dinámica, órbitas, las estructuras de los
    astros, y el retiro en el universo. O cualquiera, es un productor de
    sí mismo, de su estructura y de su funcionamiento. Así, es una
    producción constante de la integración y de la desintegración.

    EDAD DEL UNIVERSO.

    Con esto, puede ser deducido que el universo no posee un origen
    determinado en el tiempo, mucho menos en un cierto lugar del espacio,
    y no posee un origen determinado en los estruturação de la sustancia
    y de los astros que la componen. Sin embargo, tiene edad infinita, por
    lo tanto el espacio denso estaba siempre allí y produciendo la
    energía, sustancia, hasta llegar los astros.

    FORME DE ESTAR DEL UNIVERSO

    De la contracción para el espacio denso. Del retiro para el
    MASER. De aglutinação para el material del MASER.

    El universo pasa para las secuencias mientras que produce los
    elementos químicos en las interacciones de la fusión nuclear en el
    centro de los astros, donde produce energía al procesar las
    interacciones físicas y producir su estructura de astros, de órbitas
    y de la dinámica.

    EN el MOVIMIENTO

    Si el movimiento relacionado esto con el MASER, las altas
    temperaturas, y las interacciones físicas en el interior de los
    astros que están desatados en el espacio denso para desarrollar su
    dinámica. Pronto está natural y dinámico, y varía el movimiento
    como las situaciones de la producción energética donde si encuentra
    astro. E si las dinámicas obedecen una secuencia, entonces el
    movimiento es dinámica, disforme y variable.

    EN El ESPACIO DENSO.

    El espacio denso produce la sustancia, mientras que la sustancia
    producida produce ya los astros y los elementos químicos van a ser
    bastidor en las estrellas secundarias y.

    EN la SUSTANCIA

    La sustancia es filamentos del espacio denso contraído, de
    que va structuralize el universo químico en la sustancia, astros,
    elementos, MASER, temperatura alta, y en el universo auto dinámico.

    EN el COSMO

    El universo es dinámico auto y mientras que produce la
    energía las interacciones físicas van a ser procesada, y el MASER
    que actúa y que separa la sustancia, los astros están en la
    dinámica para la energía y el MASER apropiados, los elementos
    químicos se desarrollan y si mejoran, mejorando la sustancia y
    structuralizing el universo, el cosmo si los contratos para el espacio
    denso, y si ensancha para la acción del MASER, después el universo
    son vivos y automóvil dinámicos.

    EN el TIEMPO

    El tiempo no existe, qué existe es el temporizador de la
    memoria marcada para el funcionamiento del cerebro como forma de la
    conciencia de eso sucede entre los intervalos de acontecimientos.
    Podemos considerar el tiempo secundario como algo, de que que existe
    en la función del funcionamiento de la conciencia producida para el
    funcionamiento del cerebro. La velocidad del temporizador del hombre
    es la velocidad del funcionamiento del cerebro humano.

    AL el RETIRO y ENSANCHAR del COSMO.

    Así, la dinámica del universo está procediendo del MASER constante,
    por lo tanto que el su ensanchar si los hallazgos en la progresión
    que disminuye. E los astros había aparecido del aglutinação del
    espacio denso, mientras que el MASER y las altas temperaturas
    desintegran los astros. Pronto en el futuro y esta parte y período
    del entrenamiento del universo donde adentro los encontramos los
    astros serán más fríos y menos.

    Así, los astros están desatados y libres en el espacio, y no
    encarcelados para los campos de las presunciones, donde está de menor
    importancia la rotación de las galaxias quién la traducción.
    Mientras que la sustancia aparece del espacio denso, donde se producen
    los astros, otros se forman en otras puntas del espacio, mientras que
    la dinámica es común a todos los astros y no solamente en las
    galaxias. Prueba de esto que tenemos en la Sistema Solar. Con esto
    vemos que el ensanchar es una producción constante para el MASER, y
    no para supuso una gran explosión. Por lo tanto el mismo fenómeno
    que produce la traducción, rotación, órbitas, también produce
    ensanchar, por lo tanto que el retiro es disminuir gradual, crece
    gradualmente, no obstante tiene un porcentaje de la disminución de la
    progresión.

    El universo tenderá si perder y si diluir en pocos astros, y con poca
    energía, mientras que en otras piezas iniciará otros universos con
    el material del espacio denso. Los possesss del universo tres formas
    básicas de la producción 1 – estructural, de que produce la
    sustancia y de la forma, 2-other de la acción que da a la vida la
    sustancia, que es las interacciones, la energía y el MASER físicos
    en el interior de los astros. 3 – de producción de astros nuevos y de
    elementos químicos.

    EN la FORMACIÓN y la EDAD del ASTROS De la SISTEMA SOLAR

    Se confirma que los asteroides no están perfectamente
    alrededor, por lo tanto en su mayoría está haber aplanado poco y
    prolongated. Uno confirma que están resultados de tablillas expelidas
    del material de un poco de planeta o del sol, siendo inteiriça de las
    masas y producidos de un momento solo, mientras que los planetas y los
    satélites son astros redondos, donde si confirma que tenía una
    formación lenta de solapar de los componentes de sus escuelas
    primarias expelidas para los MASER. Esto si confirma que los
    esféricos habían tomado más tiempo para formarse, y confirma la
    teoría visualizada aquí.

    Tercera parte.

    COSMOFÍSICA DE INTERACCIONES Y DE LA ENERGÍA.

    El universo no podría aparecer de una bola de la energía o de la
    sustancia a soplar para arriba, por lo tanto aparecería a la
    pregunta, de donde esta bola apareció de sustancia, y de cuánto hora
    era allí antes de la explosión, y qué lo formó.

    Vemos que la producción de la sustancia y de la energía es un
    proceso constante de la fusión nuclear, de la evolución de elementos
    químicos y de estruturação de astros y de las galaxias nuevos en el
    espacio y otros fenómenos constantes que forman nuestro universo
    lento. Pronto, el universo está sin comenzar y extremo, en el tiempo,
    el espacio, el materialization y producción.

    La fase de la astrofísica y del cosmofísica, eso está de la
    producción de la energía, MASER y de la desintegración para el
    MASER y de la integración del material con poca temperatura en el
    espacio, y donde habían aparecido los astros periféricos.

    Si el universo hubiera aparecido de una gran explosión que la
    sustancia existiría ya antes del universo, y de ésta no y posible de
    ser, qué vemos en la verdad es que la sustancia es parte de un
    proceso lento, pues la formación de los elementos químicos es lenta,
    pues es lento y constante la formación de los astros y del universo
    apropiado.

    Una de las pruebas poderosas de la formación lenta del universo y de
    su principio de es para el interior si se cierra en sí mismo hasta
    materialización, y eso los astros se constituye de capas con greaters
    y densidades de los menores de edad, de algunas capas unas en las
    otras, y de refrescarse gradual hasta el interior de los astros.
    Pronto, el universo no aparecería de una punta, del interior para es.
    ESTRUCTURAS EN CAPAS.

    Así, el universo para ser un proceso lento, y de está para interior
    y se hace de capas, de evidencias en la rotación y de la dinámica de
    los anillos de Saturno, como también en la estructura del átomo, y
    en la estructura de la pista del planeta, o igual en la atmósfera de
    la pista y del Júpiter. La sustancia y el universo se hacen de están
    para el interior para el espacio denso, y los astros también para el
    material del MASER.

    Una gran explosión no daría comenzar al universo, por lo tanto era
    sí mismo el caso existiría ya antes de la explosión, y encima qué
    él produciría la estructura y la energía para soplar.

    Los elementos químicos también pesados son productos de un proceso
    lento de la formación.

    FASES – ALGUNOS UNIVERSOS.

    Tiene algunos universos. De la burbuja del espacio denso, de la
    energía del espacio denso, y de la sustancia libre en el espacio, y
    del estruturalizada de la sustancia en astros y las temperaturas del
    MASER y altas.

    Los campos, los átomos, los astros y el cosmo apropiado en su
    totalidad son determinados por la energía y la intensidad de las
    interacciones físicas donde satisfacen como también las órbitas,
    dinámicas de los astros y de los átomos. Exactamente la evolución
    de los elementos químicos y la evolución de la sustancia y los
    astros y el cosmo en su totalidad se resulta de la intensidad de las
    interacciones y de la producción físicas de la energía.

    Las estrellas brillan gracias a la fusión nuclear espontánea en sus
    memorias, donde los elementos ligeros se transforman en los elementos
    químicos pesados.

    Vemos en el universo que mientras que las estrellas disminuyen
    florecen otros todo esto si da en un proceso lento de la creación y
    del hashing en nuevos elementos y astros nuevos.

    Con este cosmo si se convierte el infinito en su origen y en la
    producción, vemos que tiene algunos tipos de universos más viejos
    unos, otros nuevos y otros diversos, que es creada por un dios
    tranquilo, construyendo el cosmos, los seres y las almas para el
    bueno.

    SÚPLICA de la EXTENSIÓN.

    Qué da un aspecto para tener una extensión inmensa es la traducción
    y la rotación de las galaxias, en la verdad la traducción es inmenso
    más grande que el retiro entre los astros.

    Si los astros fueran si separaron straight-line para la oferta de la
    edad hasta desde el universo, todos los astros serían tan distantes
    aquí que sea imposible ver ni el sol, más es el rojo del efecto de
    Doppler. Uno concluye que el universo no está en la extensión, pero
    sí en la traducción y la rotación, y mil millones de un retiro del
    mínimo de pocas épocas de esa cualquier traducción.

    Todas las galaxias son si se abren como girasol, o cualquiera, si se
    mueven lejos desde su centro, y en la traducción y la rotación por
    lo tanto esa tenemos una noción de una extensión inmensa, sin
    embargo que sea un aspecto del efecto de la traducción y de la
    rotación de las galaxias, por lo tanto el contrario serían la
    infinitamente distante del otra, siendo imposibles colocar su misma
    posición o cualquier forma de luz, aunque del sol. Una época que
    origen de los possesss y producción infinitos de la constante.

    Por lo tanto tenemos noción de eso que todos son si el distanciando
    del sol, por lo tanto con el efecto Doppler de la rotación y de la
    traducción para el rojo se coloca con intensidad grande, y eso da a
    aspecto de eso el sol está en el centro del universo, por lo tanto el
    movimiento es translacional y rotatorio de el del retiro.

    Si la extensión fuera producto de una gran explosión las galaxias
    infinitamente distantes y serían parqueadas ya en el espacio. Así,
    para ser posible detectar el aspecto de las galaxias y de su
    dinámica, las evidencias que el universo no originó de una gran
    explosión y ni la extensión supuesta es producto de una gran
    explosión, entonces el universo es infinitamente viejo, y su
    extensión supuesta es origen y producto de su MASER, y es frenada por
    el espacio denso. E se ha ido de ésa que detectamos pues la
    extensión es el aspecto de la traducción y de la rotación de las
    galaxias.

    Con la época para la formación de la sustancia, con la época de la
    evolución de los elementos químicos, la formación de los astros,
    esferficação de la estructura externa de los astros, si vea que el
    universo es infinitamente viejo, entonces si la extensión supuesta se
    relaciona con supusiera que una gran explosión no daría para
    detectar la existencia de las galaxias en el espacio, por lo tanto
    serían infinitamente distantes.

    Como también, de donde la sustancia aparecería producir una gran
    explosión.

    El origen de la sustancia para el espacio denso, de la evolución de
    los elementos químicos, de la formación y de esferificação casi
    que perfeccionan de los astros, de las capas de la atmósfera y de la
    estructura de los astros y de la existencia de las galaxias él
    confirma la teoría del origen del universo para el espacio denso, de
    la producción del universo para las interacciones físicas y de la
    fusión. E la dinámica para la energía, el impulso para el MASER y
    las interacciones físicas, como también el freno cósmico de la
    dinámica de los astros para el espacio denso. Así, el universo no
    fue producido en un momento solo en una gran explosión y también no
    satisface en la extensión, sino sí en un retiro mínimo e
    insignificante, mil millones de pocas épocas de esa ninguna velocidad
    de la traducción y es fácil visualizar.

    Si el planeta Neptuno tiene tantos kilómetros de retiro del sol y del
    él se convirtió hoy hasta cuántas restauraciones no actualizadas
    alrededor del sol y con esa velocidad. Este cálculo sirve para
    cualquier astro.

    CÁLCULO DEL RETIRO DEL UNIVERSO.

    Retiro en el kilómetro del school/number elemental de restauraciones
    no actualizadas en la escuela primaria * arco del distancia en el
    kilómetro de la traducción = el valor del acercamiento de un astro
    del retiro desde el principio de su formación.

    Ejemplo.

    El rayo del sol hasta que la pista tiene 150.000.000 de kilómetro,
    siendo que la circulo en la restauración no actualizada él tiene 3.5
    veces aproximadamente este rayo, y que la pista ya dio a 1.000.000 de
    restauraciones no actualizadas más que, o cualquiera, de calcular el
    retiro de la pista, tiene eso
    Ou seja, o afastamento da Terra é menor do que 1metro por ano, enquanto o planeta desenvolve um percurso de translação de mais de 750.000.000 km por ano.

    Não foi levado em conta aqui o tempo para a esferificação do planeta.

    Com isto se conclui que o alargamento é insignificante em termos observacionais, porém este afastamento é fundamental. Pois enquanto um planeta se afasta, vai dando lugar a outro para ser produzido, é como uma produção organizada, e que ao se afastar do Sol ele vai processando a sua energia e esfriando, dando condições para que a matéria evolua e a vida possa brotar e ter um corpo vivo de matéria evoluída.

    E que a aparência para o vermelho é resultado da translação e rotação, pois o afastamento é insignificante. Logo, o universo se encontra num mínimo afastamento imperceptível e não em expansão, pois se o que é observado fosse uma expansão os astros estariam tão distantes uns dos outros que da Terra não daria para ver o Sol, nem de telescópico. Assim, lhes proponho uma outra teoria, que é a do universo fluxonário estruturante.

    Com isso se conclui que não existe uma expansão, mas sim um afastamento mínimo, quase insignificante. Porém fundamental para os processos de energia do astro e de todo sistema em que ele faz parte, e o que dá a aparência ao vermelho no efeito Doppler é o deslocamento da translação dos astros e a rotação das galáxias no espaço.

    Isso serve para todos os sistemas de universo na forma de matéria e energia.

    COM A TEORIA DA ENERGETICIDADE É POSSÍVEL PROVAR

    1- a progressão das distancias entre os planetas, em que os mais distantes o afastamento sempre aumenta e é maior.

    2- E, por que Júpiter é mais de 100 vezes maior que a Terra.

    3- Por que Plutão é o primeiro planeta e está a mais de 75 vezes mais distantes do que a Terra em relação ao Sol.

    4-Por que Saturno e Júpiter possuem mais de 10 satélites enquanto os dois mais próximos não possuem satélites. E por que o numero de satélite aumenta conforme o diâmetro do planeta.

    5- Por que Júpiter possui uma rotação mais de 100 vezes maior que Mercúrio.

    6- por que os maiores astros, como estrelas, planetas e satélites são esféricos.

    PROVA.

    Constatação de que os astros esfriam e mesmo em relação aos planetas que quanto mais distantes do Sol são mais velhos, com mais energia já processada e gasta e são mais frios.

    Os planetas se formaram de dentro para fora, por camadas de energia e matéria expelidas do Sol, sendo aglutinadas para formar os planetas e satélites, isso se confirma na aparência da atmosfera de Saturno e Júpiter, as camadas que forma a terra e a esferificação.

    TEMPO DE VIDA DO UNIVERSO.
    Com o exposto acima o universo é infinito na sua origem e sem fim, no espaço e no processamento.

    SOBRE A ORIGEM DOS SECUNDÁRIOS E SUA DINÂMICA.

    FILAMENTOS DE ATMOSFERA E ESFERIFICAÇÃO.

    Aparentemente, há alguma coisa colorida na atmosfera de Júpiter, e essa atmosfera se espirala de tal forma que as substancias coloridas se concentram amplamente em certas latitudes e se espalham para formar os cinturões. Por isso ocorre em certas latitudes e em outras, não se pode dizer – ainda nos é difícil explicar a circulação da atmosfera terrestre, e no momento não temos esperança dos intricados detalhes da atmosfera de Júpiter.
    Se fosse apenas uma questão de rotação, poderíamos esperar que os cinturões de Júpiter fossem perfeitamente retos e uniformes, eles não o são. Há sempre pequenas saliências, reentrâncias, e manchas aparecendo de um momento para outro, expandindo-se, contraindo-se, escurecendo, clareando. Talvez seja resultado de tempestades jupterianas, suficientemente violentas para alterar a circulação normal da atmosfera, que produz os cinturões, seguindo cursos ditados não somente pela rotação do planeta, mas também por irregularidade da superfície sólida situada abaixo, ou radiação e atividades tectônicas.
    Nos anéis de Saturno também há estas irregularidades e uma rotação mínima, e no satélite Amaltéia se constata que ele acompanha com sua translação a rotação de Júpiter, como um filho próximo da mãe.

    Isso só nos vem confirmar o exposto até aqui, que os satélites se originam de filamentos de gases da atmosfera dos planetas, e que a translação se origina juntamente com a origem do próprio satélite, ou mesmo pode-se dizer que eles antes mesmo de ser um astro já se encontram em dinâmica.

    A rotação do primário espirala e condensa próximo do equador a atmosfera, aonde deste espiralamento de gases vai formar novos astros, que estes gases já se encontram em dinâmica translacional e variação e densidade na sua forma e estrutura.

    O gás que formam um cinturão espiralado se processa e locomove para um só ponto próximo do equador, por dois motivos, magnetismo do astro e centrifuga de rotação, onde vai começar a dar inicio a uma esfera, que é o processo de esferificação que se tornará em astro. Ao se formar ele se distanciará dando condição a outros sucessivos que virão a se estruturar.

    Assim, os caminhos são,

    1-Formação da atmosfera pela radiação, e deslocamento desta atmosfera sobre o astro pela própria ação da radiação.

    2-Espiralamento da atmosfera pela rotação do astro e deslocamento da atmosfera, que se desloca próximo ao equador.

    3-Esferificação desta atmosfera espiralada com translação.

    4-A esfera além da translação e afastamento que já possuía, passa também a se distanciar do primário que o formou. E o processo continua, enquanto o astro se afasta e translada, também passa a produzir a sua rotação.

    Por isso que quantidade de translação, afastamento e rotação dependem de toda energia em processamento do astro, que vai produzir toda radiação do astro no espaço. E por isso que ao envelhecer toda dinâmica tende a diminuir, pois já gastou quase tudo que podia.

    DINÂMICA LIVRE, PRÓPRIA E DECRESCENTE PELA ENERGIA.

    Confirma-se que a dinâmica é própria do astro e proporcional a sua energia, e que os astros estão livres no espaço, e esta liberdade e radiação fazem com que eles se afastam de seus primários. Logo, se eles se afastam por radiação não podem ser atraídos.

    CONCLUSÃO.

    COSMOFÍSICA.

    Considerações.

    Provas de que o universo são processos de estruturação infinita.

    O que prova que o universo se estrutura por um processo lento é através da esferificação dos astros e que a terra ser formada de núcleo e camadas, pois prova que os astros são formados de sobreposição de materiais pequenos que foram expelidos por outros. Pois se o universo fosse produzido num só momento por uma grande explosão a terra seria formada por um bloco inteiriço.
    Com a esferificação e camadas se prova que o universo é bilhões de vezes mais velhas do que se pensa hoje.

    E se é infinitamente velho e considerando a velocidade e a aparência para o vermelho observada, com isto se conclui que não veríamos o sol e nenhuma estrela no espaço, pois o tempo que se encontra em velocidade elas estariam infinitamente distantes, e não seria capaz de observar nenhum astro no espaço.

    Considerações sobre uma teoria da cosmologia e astronomia.

    Uma teoria da cosmologia e astronomia deve se fundamentar no universo geral, da origem da matéria, das partículas, origem dos elementos químicos e sua estruturação, processamento, e evolução, fusão nuclear dos astros, radiação, temperatura, estruturação e estrutura dos astros, o universo como um sistema em evolução na sua constituição macro, geral e micro.

    O que é o universo.
    É espaço denso, matéria densificada, processos e estrutura, fluxos e evolução, sem inicio e fim.

    A estrutura do espaço denso.
    Como os gases que são leves, invisíveis e flutuam o espaço denso é milhões de vezes menos densificado.

    Hipótese falsa da grande explosão.
    Tudo antes de explodir primeiro tem que ser formado de algum elemento, ou alguma estrutura de matéria ou espaço denso, logo é falsa a hipótese da grande explosão.

    Sobre o tempo cosmológico.

    O tempo cosmológico é o tempo que representa a energia e processamento num sistema de astros.

    Cosmofísica.

    Universo de processos ínfimos.

    O que componhe e determina o cosmo na sua estrutura são os seus processos físicos, produção de partículas e elementos químicos e sua evolução, nos núcleos onde as fusões estelares acontecem, ou seja, o universo micro determina o macro e o geral, um sistema de galáxias só vai se abrir conforma a intensidade de processos físicos que são produzidos no sistema. Ele terá luzes e formas e fluxos, componentes químicos, fusões conforme o processamento físico geral.

    Da multiplicidade do universo.

    O universo é múltiplo, ou seja, são vários em vários estágios de origem, processamento, estruturação, fluxo e desintegração.
    Ele tem origem pela densidade do espaço que forma a matéria, depois a energia e durante o processo forma os elementos químicos e os astros.

    Do fluxo do universo.

    O universo se estrutura de fora para dentro [ por integração do espaço denso] depois de dentro para fora [ por desintegração da matéria ] pelos processos e fusões da matéria e nos núcleos dos astros.
    Volta a se reintegrar formando astros menores e com menos energia, depois se desintegra em radiação, e se reintegra em astro, e o fluxo e processos continua até a matéria se tornar difusa e com pouca energia.

    Como exemplo se tem do espaço denso e a matéria, da matéria ao astro, a estrela que produz radiação, que vai produzir planetas, que vai produzir radiação e atmosfera, que vai produzir radiação, anéis e satélites, e o fluxo e processos estruturantes e desistruturantes continua infinitamente até a matéria difusa.

    Onde leva a matéria evoluir e produzir os elementos químicos. Assim o universo é infinito e sem forma determinada.
    Assim, o universo se encontra em contração e alargamento interno, mas não em expansão e sim em afastamento ínfimo, se encontra em translação e rotação, estruturação, fluxos e evolução de seus componentes.
    Enquanto uns começam a sua origem, outros se encontram em fluxos e processos, enquanto outros já se encontram na fase final que é em matéria difusa.

    Cosmofísica nuclear.
    Fusões nucleares.

    As fusões nucleares das estrelas mantém por um bom tempo a temperatura dos astros, com isto faz com que o universo se processa lentamente, e possa manter o seu fluxo e evolução da matéria e elementos químicos e ajuda a transforma elementos leves em pesados, e vai produzir a energia e dinâmica dos astros, por isto que os secundários mais distantes possuem menos dinâmica e as órbitas são mais irregulares. Ou seja, satélites de planetas, planetas de estrelas.

    Assim, o universo e seu fluxo e estruturação se deve a sua produção de energia, como também a evolução dos elementos e a dinâmica dos astros.

    A produção de energia vai determinar também as camadas e esferificação dos astros.
    Universo não expansionista e não estacionário.
    Assim se confirma que o universo se encontra em afastamento ínfimo e não em expansão, e não se encontra estacionado pois possui rotação, translação, fluxos, evolução e outros fenômenos.

    Evolutivo.
    Encontra-se em evolução na sua estrutura micro e macro, dos elementos aos astros. E se eterniza como matéria com densidade difusa
    .
    Não é curvo e nem reto.
    Observação.
    A teoria da energeticidade e radiação que trata da astronomia será apresentada em outro texto. Com mais de cento e dez fórmulas provando as duas teorias, pois uso diâmetro, radiação, temperatura, rotação e velocidade equatorial. E não uso distancia massa ou gravitação.

Deixe uma resposta