Página Inicial Emprego Os artistas do intercâmbio cultural

Os artistas do intercâmbio cultural

Acho que todo mundo que se interessa por intercâmbio já pelo menos deu uma espiadela na possibilidade de um trabalho no exterior.

O destino mais comum para esse tipo de experiência é os Estados Unidos, existem milhões de tipos de programas, a maioria cabe na maior parte dos bolsos, e sempre há possibilidade de retornar com até mais que o dinheiro investido. Além claro, do aprendizado da língua.

Em 2006 me arrisquei num tal de intercâmbio cultural, já era formada fazia mais de um ano o que não me qualificava para muitos dos programas existentes, que são voltados para os universitários. Assim me aventurei no visto Q1, que é um visto para quem tem talento artístico cultural e vai à outro país representar a cultura de onde vive. Para deixar bem claro, sempre que retorno ao Brasil recebo no aeroporto ou no avião o papel que os estrangeiros preenchem quando entram aqui. O que demonstra a minha não aparência de uma típica brasileira que é vendida mundo à fora.

Mas okay, o trabalho era em uma rede de parque de diversões, o SIX FLAGS, que é a maior rede de parques dentro dos Estados Unidos, é maior que a Disney poque tem mais parques, e só. Adoro de paixão parques de diversão, me arisquei e deu tudo certo, em maio daquele ano embarquei para Springfield em Massachussets.

Welcome to Springfield
Welcome to Springfield!

O parque em si ficava o município vizinho de Agawn. Na época eu trabalha aqui no Brasil com entretenimento (coisa que ainda faço) e na entrevista com uma das coordenadoras do projeto de recrutamento, ela me disse que eu poderia continuar trabalhando na área lá. Achei fantástico e fiquei feliz, porque talvez isso, apenas isso, justificaria o visto Q1 para mim. Pois também não possuo nenhum talento artístico cultural que represente o local onde vivo.

Ponto 1: embarquei sem saber como iria chegar ao alojamento do parque, imaginei que seria tipo um excursão para Disney, com gente esperando na chegada. Não!

Tive sorte por no mesmo voo do Brasil para Dallas estar um rapaz que eu vi no dia do visto em São Paulo e como as entrevistas eram em apenas em 2 dias e em um guichê separado para os participantes do programa, sabia que o destino dele era o mesmo do meu.

Ponto 2: os caras da segurança nacional arrombaram minha mala!

Sim, e destruíram meu cadeado. Para se explicar me deixaram um “bilhete oficial” dizendo que não conseguiram identificar um ou mais objetos e abriram para verificação. Ainda estou em dúvida se isso foi culpa do coelho de pelúcia.

Ponto 3: assim que vi o alojamento tive vontade de não sair da van.

Se eu tivesse visto por dentro antes de entrar eu REALMENTE não teria saído.

Ponto 4: no dia do treinamento e do recrutamento para os setores descobri que o departamento de entretenimento NÃO ERA PARA ESTRANGEIROS.

Assim me enviaram para as vagas das lanchonetes, cozinhas e karts. O que teve um ponto bom, o esforço físico e as altas temperaturas que nos expúnhamos todos dos dias por até 15 horas,  me fizeram perder vários quilos enquanto a maioria dos intercambistas somava cada caloria da cultura americana aos seus contornos originais.

Ponto final: Era tarde demais para desistir.

Não vou mentir, apesar de estar bem consciente do tipo de trabalho que teria lá e mesmo tendo embarcado com a esperança de um

Vista do teleférico do parque

determinado departamento, fiquei um tanto triste com a conduta do parque em alguns aspectos. Minha imaturidade da época tornou alguns pontos ainda mais difíceis. Mas desistir do programa e voltar para casa ou cair na estrada e não cumprir o contrato estava longe de ser opção para mim.

O segredo de “se dar bem” em qualquer tipo de intercâmbio que se faça, independente do país e do objetivo é estar preparado para se superar. Informação é sempre uma arma muito forte quando você escolhe o programa de intercâmbio. Faça todas as perguntas por mais tolas que elas pareçam, é a sua pele que está em jogo. Vale muito saber direitinho tudo que está no seu contrato, tanto seus direitos com também seus deveres. Respeite as regras e aproveite, estes vão ser com TODA certeza alguns dos MELHORES momentos de sua vida.

COMPARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Eu ri muito com esse post mas ele ajudou muito a pensar antes de sair embarcando em qualquer coisa que possa parecer atraente só pelo fato de ser fora do Brasil.

Deixe uma resposta