Página Inicial Vistos Imigração O que não se compra

O que não se compra

A cada nova informação adquirida, seja em uma matéria de jornal, reportagem na televisão, pela leitura de um comentário numa comunidade de um site de relacionamentos, pela simples conversa com um amigo ou conhecido ou qualquer outro meio temos a certeza que mais e mais dúvidas nos aparecem. Quando o assunto é imigração parece que temos um terceiro tema que não se “discute”, além de política e religião. Para muitos parece uma aberração pensar em imigrar. Deixar o país no qual nascemos, nossos amigos e familiares. Para outros, igualmente numerosos, absurdo é ficarem no Brasil passando por situações diárias que as fazem ter nojo, vergonha, medo e demais sentimentos que não as deixam dúvidas sobre o que devem fazer. Por causa desses últimos é que milhares de brasileiros estão no Canadá. O número exato é impossível de dizer por uma razão simplicíssima, a cada dia chegam mais e mais. E o número que chega não é nem de perto o número dos que querem sair.

Agora depois de muito ler e escutar o que muitas pessoas pensam, percebe-se que há algo muito comum e de certa forma triste entre elas. Entre os imigrantes, sempre tendo o cuidado de não generalizar, uma quantidade enorme acha ruim quando se faz comparações entre o Brasil e o Canadá. Eita! É polêmica na certa! Mas uma questão básica: – É para comparar o que? China com Egito? Polônia com Somália?

Emigrar envolve essencialmente comparar e escolher, botar na balança o que se tem a ganhar e a perder. Há quem ache que só se ganha, há quem se mude e só se lamenta, acha que só perdeu. Então termino com o seguinte. É só pisar no Canadá. Não precisa mais de nada, só chegar mesmo, que você já ganha muitas coisas, mesmo que dentro de semanas você não tenha emprego, mesmo que o clima seja ruim pra você ou que a comida não agrade, mesmo que você tenha sua lista pessoal de dissabores das terras geladas.

O que é que você ganha?
Todo brasileiro ganha o que não se compra!

Você era ou é rico no Brasil? E quanto custa um pacote de segurança para você e sua família? Mesmo que seja de 5 minutos. Qual das suas lojas preferidas vende ruas sem buracos e estradas de qualidade? Transporte público super eficiente, dá para encomendar? Uma população sem ter como traço cultural passar a perna nos outros, você compra na Delicatessen de luxo que você freqüenta?

Bom, para bom entendedor, já basta, não é? Nem ganho nada da companhia de cartão de crédito, mas o que não tem preço já mostra o quão valioso é. Caso alguém saiba onde vende estes produtos citados acima torne público, muitos vão se interessar.

COMPARTILHAR

15 COMENTÁRIOS

    • Muito obrigado Victor. Fiquei feliz com o seu elogio e mais ainda se ajudei de alguma forma. Informar é o objetivo máximo e se ainda por cima o texto é agradável aos leitores me sinto duplamente satisfeito.
      Felicidades e sucesso para ti.

  1. Apesar de refletir exatamente o que eu penso, achei o texto um tanto quanto superficial.

    É um assunto que merece ser melhor explorado, como por exemplo, as diferenças básicas sobre a educação (no trato com outros seres humanos) entre os habitantes do Canadá e Brasil.

    Uma comparação deste só reforçaria a idéia das pessoas que desejam mudar de país, mas ainda tem um certo ‘medo’.

    Fica a sugestão para um próximo tema.

    Abraços fraternos,

    Jefferson

  2. Ah, sei nao, morei por muitos anos nos EUA, q e bem parecido c/ o Canada, e hoje estou de volta ao Brasil por uns tempos. Realmente, em termos de segurança pessoal, civilizaçao, (da parte deles) etc. nao da p/ comparar, claro q la e melhor, porem tem uma coisa q acho q nao se falou aqui ate agora, q e a felicidade pessoal, aquela coisa de ir a um estadio assistir seu time jogar, ouvir e falar sua propria lingua diariamente, seus filhos serem constantemente convidados p/ festinhas de aniversarios dos coleguinhas de escola (la eles sao frios pacas e isto raramente ocorre) comer sua comida preferida, (ok, la ja tem muita coisa vinda do Brasil mas aquela tua feijoada, por melhor preparada q seja nao tem o mesmo sabor), etc…

  3. Desculpa Jefferson Alexandre.
    Só escrevi dois artigos aqui no site. Estou preparando muito mais, mas se faltou aprofundar algo na matéria eu já avisei na minha primeira matéria que jamais vai se esgotar um assunto numa só matéria. Cabe a vocês leitores serem compreensivos e entenderem a limitação da internet.
    Falei desse ponto para defender a mim e a todos os demais escritores do site, visto que outros também receberam idêntica “reclamação”/comentário.
    Em suma, tentamos informar sabendo que é uma tarefa sem fim e nem desistimos de fazê-lo sabendo disso.
    Muito grato à todos os que comentam os textos.
    Atenciosamente,
    Francisco Braz

    • Nunca fui ao Canadá mas desde os meus 17 anos quando li o primeiro texto sobre este país logo me apaixonei, parecia um lugar mágico, justamente o lugar pra onde eu deveria ir.Hoje aos 27 anos ainda e com mais força tenho o desejo de morar no Canadá, e ao ler este texto sinto como se fosse eu mesmo que o tivesse escrito, pois de uma forma estranha é o que sinto, sem jamais ter pisado neste pedaço de chão chamado Canadá.

  4. Olá novamente Francisco.
    Li esse texto recomendo por você a outro internauta que fez um comentário em um outro texto seu.
    Parabéns “novamente” muito bem escrito e com o conteúdo abordado certeiro e inteligente.
    Se me permite, algo que devemos de atentar comparando dois paises no caso o Canada e o Brasil é que eles tem em comum o fato de terem sido descobertos por paises com séculos de civilização em desenvolvimento em suas terras de origem (Inglaterra e Portugal).
    Mas o importante é ver como foi feito isso.
    O Brasil era usado como lugar para exploração/extração de riquesas e deposito de lixo social (portugal esvasiou suas prisões, enviando todos os presos para cá).
    O Canada foi colonizado com intenção de se expandir o império britânico, colocando colonos que levavam bens importantes como educação e costumes que os matinham sempre em um rumo evolutivo (claro que de acordo com a época).
    Vejam os país colonisados pelos Ingleses, e os colonizados pelos portugueses.
    A situação que portugal se encontra hoje na data que escrevo esse comentário.
    Infelizmente concluí-se que esse é o melhor lugar do mundo colonizado pelo mais ridículo império que existiu na europa.
    E hoje graças a todo esse processo e ao rei covarde portugues que fugiu do Napoleão e veio pra cá acentuando mais ainda a nojeira que temos hoje na política temos que concordar que o Brasil tem a corrupção fazendo parte de sua cultura base, que forma novas gerações.
    Hoje vejo que a melhor forma de salvarmos algo desse país seria, separá-lo.
    Sim sou separatista, mas não é o meu foco aqui.
    Então embora tenhamos um lugar lindo vivemos em uma sociedade com mais de 5 séculos de erros em sua formação.
    E apenas aqueles que percebem ou sentem que não terá melhoras nisso é que pensam em sair daqui.
    O quadro parece ser irreversível.
    (Minha opinião claro e apenas uma leve reflexão e desabafo)
    Abraço, obrigado e me desculpem aos que não concordam pois também respeito vossas opiniões.

    • Rogério, escreves muito bem. Demonstra uma gama de conhecimentos muito vasta, possui uma redação que muito me apraz.
      Concordo com muitas coisas que dissestes, mas não creio que a separação do país pudesse solucionar os problemas que temos. Não vejo exemplos que me mostrem onde a separação ocorreu e deu resultados. Meu raciocínio é muito ligado a exemplos e por isso acredito em EDUCAÇÃO. Só e exclusivamente em EDUCAÇÃO. Japão, Coréia do Sul e a lista restrita dos países que realmente considero de primeiro mundo só o são por causa da feliz decisão de dar prioridade toral à educação.
      Abraço para você. Felicidades, sucesso e um muito obrigado. Seu comentário enriqueceu demais este artigo.

Deixe uma resposta