Página Inicial Outros Notícias Ministra da Imigração e Cidadania, comenta sobre a imigração no Canadá aos...

Ministra da Imigração e Cidadania, comenta sobre a imigração no Canadá aos brasileiros

Entrevista Especial: Ministra da Imigração e Cidadania Diane Finley, fala um pouco sobre a imigração no Canadá

Serão cerca de $109 milhões investidos nos próximos cinco anos apenas para o setor de imigração. Mas ainda não é o bastante para cobrir a demanda do mercado, que prevê que no ano 2012 a imigração será a principal fonte de abastecimento de mão-de-obra no Canadá.

A conclusão é do Ministério da Imigração e Cidadania, que está numa campanha para mudar as regras dos processos de aplicação e pedidos de vistos, visando acelerar a entrada de profissionais que o país precisa urgentemente.

Segunda a ministra Diane Finley, é preciso não desperdiçar tempo. Mas para isso, é preciso derrubar a lei atual, que obriga o processamento de todos os pedidos recebidos, por ordem de chegada, fazendo com que a fila de espera dos aplicantes possa durar anos.  Anualmente são admitidos cerca de 240 mil a 265 mil residentes permanentes no Canadá.

“Nós temos que melhorar o sistema atual para que possamos competir economicamente, contando com os talentos que realmente precisamos. O modelo atual representa um desperdício de recursos e tempo, não sendo eficiente”, explica a ministra, que trabalha para que o tempo para a análise dos processos seja reduzido para entre 6 meses a um ano.

O pronunciamento representa boas notícias para profissionais qualificados, especialmente nas áreas de engenharia, tecnologia e medicina. São estes que passarão a ter prioridade de análise em seus processos para obtenção da residência permanente ou mesmo vistos de trabalho temporário. “O processo não será discriminatório, pois qualquer um pode e deve continuar a aplicar. Iremos continuar a analisar e aceitar os pedidos. Apenas teremos condições de analisar primeiro os perfis daqueles profissionais que mais precisamos”, ressalta Finley.

Visando manter trabalhadores formados no país, a ministra também enfatiza a importância do diálogo com os conselhos regulamentadores profissionais, visando a acreditação de diplomas estrangeiros e rápida inserção no mercado. Ela cita como grande conquista a operação do Foreign Credentials Office, que vem orientando os profissionais antes mesmo deles chegarem ao Canadá. Através do site, é possível, por exemplo, saber quais as áreas de maior demanda, carreiras inter-relacionadas, faixas salariais, cursos disponíveis e quais os custos e tempo envolvidos com a validação e obtenção da tão exigida experiência canadense.

“É importante chegar aqui informado e sem expectativas irrealísticas. O conhecimento do idioma inglês é um dos passos fundamentais para quem deseja se integrar no mercado de forma rápida. Já investimos mais de 1,4 milhões em programas de English as Second Language (ESL) nesse sentido ”, explica a ministra.
Ainda de acordo com ela, um em cada quatro aplicantes são realmente profissionais qualificados (Skilled Workers), o que significa que cerca de 88% – a maioria dos imigrantes – representam as famílias desses profissionais, que contam com todo o suporte financeiro e social que o país oferece. Outra iniciativa é relacionada com a extensão de vistos de trabalho temporário, além do programa de parcerias entre universidades canadenses com outras pelo mundo, visando o reconhecimento de diploma de forma facilitada. Há também o projeto residência permanente facilitada para aqueles estudantes universitários que desejem aplicar para residir no Canadá, sem que os mesmos tenham de voltar para seus países de origem.
Acesse: www.cic.gc.ca e www.credentials.gc.ca

Negócios em Alta

Wanja Campos Da Nóbrega, responsável pelo Setor de Promoção Comercial do Brasil (SECOM) em Montreal, Toronto e Vancouver – num departamento que funciona junto ao Consulado Geral do Brasil em Toronto – é taxativa ao afirmar que há inúmeras boas oportunidades de negócios, em diversas áreas, para as empresas brasileiras e canadenses interessadas em interagir entre si.

“O Ontário é uma das regiões mais representativas do Canadá em termos comerciais, daí o esforço do Itamaraty em comportar um setor de promoção para promover negócios, missões e turismo  internacionalmente. A medida em que desenvolvemos esse trabalho, percebemos que para lançar um produto brasileiro aqui é preciso investir em qualidade. O mercado canadense é aberto, com alto poder aquisitivo e interessado em diversidade cultural, mas, ao mesmo tempo, possui nível de exigência elevado”, avalia ela.
Como um dos exemplos bem sucedidos em termos de eventos comerciais, ela cita a missão que trouxe representantes de vinhos brasileiros, como Miolo, interessados em vendas e exportação para o Canadá. O resultado foi a comercialização de marcas que já podem ser encontradas nas lojas LCBO e SAQ (Quebec).  Em outra ocasião, em feira em Montreal, cerca de 19 empresas brasileiras tiveram a oportunidade de exibir produtos como café e castanhas e fechar parcerias de negócios.

“O apoio que fornecemos é bilateral e estamos abertos para qualquer contato e orientação. Auxiliamos na busca por informações junto à BrazilTradeNet (BTN), que oferece listagens de importadores, pesquisas de mercado, calendários de feiras, entre outros valiosos dados. Há ainda o Guia Como Exportar para o Canadá, elaborado pelo SECOM”, explica.
Mais informações acerca de oportunidades de negócios Brasil-Canadá através: trade@consbrastoronto.org e www.brasiltradenet.com. Endereço: 77 Bloor St. W – S. 1105, fone: (416) 922-8481 e 922-2503.

Quer seguir carreira diplomática?

Esta é uma carreira aberta a todos os brasileiros através de concurso público, que ocorre anualmente. O Instituto Rio Branco (www.irbr.com.br) é a academia exclusiva para formação de diplomatas. Após formados, estes estarão aptos a trabalhar no Ministério das Relações Exteriores – Itamaraty. Qualquer brasileiro com curso superior pode se inscrever neste concurso.

Negócios Online

A Câmara de Comércio Brasil-Canadá estará lançando a “Comunidade Amigos do Canadá”, um espaço de relacionamento virtual para pessoas que estudaram ou pretendem estudar no Canadá. A ideia é manter contato constante e oferecer benefícios relevantes ao longo do relacionamento, estimulando negócios entre as empresas associadas.
A comunidade também manterá espaços de conteúdo para que os sócios da CCBC possam divulgar notícias a respeito de suas empresas e uma área de empregos onde poderão anunciar vagas em aberto das suas organizações.
Mais informações: www.ccbc.org.br

Fonte: Brasil News

COMPARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Um casal de amigos estão indo agora no dia 17 de julho para o Canadá. Eles estão indo com visto de turista e o objetivo deles é realmente não voltar
    mais. Tem um amigo deles que está morando em Toronto e ele está ajudando

    muito nas informações, procedimentos,etc. Estava tudo certo eu ir, mas estou um pouco com medo de não conseguir extender meu visto de turista lá e ficar como ilegal e me prejudicar.

    Pensei na possibilidade de ir como estudante, mas segundo a verba que tenho disponível (R$ 15,000,00) não tem condições, pois tenho que provar para o consulado canadense que tenho verba suficiente para me sustentar durante 6 meses.

    Segundo o amigo deles que está lá, o melhor esquema a fazer é o seguinte:

    Quando o seu visto de turista estiver acabando tem como você extênde-lo por mais 3 meses, usando alguns métodos, como por exemplo entrando em uma escola
    de inglês, mas o seu visto não muda para estudante. Após o término dos 6 meses, você pode dar entrada no residente temporário, que dura para sair uns 2 anos, e ficar de forma
    legal, enquanto isso eu posso estudar na universidades, etc. É possível realmente fazer isso? Você sabe?

    Como não consegui a carta convite, comecei a buscar outros métodos para que eu não possa desistir e estou com o
    seguinte plano:

    Solicitei um orçamento com uma escola que pesquisei através de indicações e pretendo pagar um curso de 1 mês + 1 mês de homestay, após o término do
    curso eu moro com meus amigos ou com outro maluco qualquer que eu conhecer.

    Acabando isso já tenho alguma noção de inglês e começo a buscar trabalho, para que eu possa pagar outro curso quando o visto estiver acabando para conseguir extender por mais 3 meses.

    É difícil conseguir emprego? É muito perigoso trabalhar de forma ilegal?

    Como eu que irei me sustentar e não meus pais, preciso trabalhar.
    A escola é a Hansa
    (www.hansacanada.com.br). Você conhece outra legal com curso de carga horária menor? Ouvi dizer que esta Hansa está na lista negra do consulado, pois
    eles são facilitadores de visto.

    Pretendo ir dia 03 de agosto (preciso correr). As aulas iniciarão dia 11.

    Eu realmente pretendo não voltar.
    Você pode me ajudar?

Deixe uma resposta