Página Inicial Dicas Work Exchange, viajar pelo Mundo sem pagar Hospedagem e alimentação

Work Exchange, viajar pelo Mundo sem pagar Hospedagem e alimentação

Work Exchange, o que é?

Na tradução livre, esta expressão significa “trabalhar em troca”. O que subentende que você pode trabalhar em troca de diversas coisas, inclusive hospedagem, alimentação, aprender um idioma, um esporte ou ter uma experiência completa no exterior.

Se engana quem acha que o “Work Exchange” é uma opção de intercâmbio que deve ser considerada apenas para aqueles que não contam com muitos recursos financeiros. Pelo contrário, esta forma de fazer intercâmbio deveria ser considerada principalmente por todas as pessoas que queiram sair da sua zona de conforto por um tempo, ou simplesmente por aqueles que desejam uma experiência no exterior que vá além das salas de aula de cursos de idiomas e pontos turísticos.

Existem várias oportunidades nestas áreas disponíveis por todo o mundo. A maioria consiste em trabalhar de duas até oito horas por dia em troca de regalias já acordadas antes de chegar no destino. Essas vagas estão disponíveis em sites totalmente gratuitos ou em sites que solicitam o pagamento de uma taxa que pode ser anual ou por viagem fechada.

De uma forma geral, os sites têm um mesmo padrão de serviço. Você se cadastra, tem acesso à pesquisa que pode ser por país, período que deseja ficar fora do Brasil ou tipo de habilidade que você pretende usar. Vale lembrar que este tipo de programa é uma “troca de experiências” entre um viajante e um nativo (travellers e hosts), e assim sendo, não deve ser propagado como um trabalho, principalmente quando se refere a imigração e vistos.

Vamos as principais opções de sites disponíveis em cada categoria:

Work Exchange sem taxas

Antes de qualquer coisa vamos falar de um item básico para qualquer trabalho: o idioma. Principalmente nos sites que oferecem o serviço gratuito, é muito importante que você tenha conhecimento necessário para se comunicar com seu futuro anfitrião. Pois é ali, na troca de e-mails antes de viajar, que você vai tirar todas as suas dúvidas e negociar os termos do seu trabalho e estadia.

Para começar a se familiarizar com este tipo de serviço, o Voluntters Base está disponível em diversos idiomas, incluindo português. Atualmente você encontra no site desde opções para ser babá na Irlanda com direito a conhecer os pontos turísticos nos fins de semana, passando por trabalhos para escolas de uma comunidade na Polônia com hospedagem na casa de alunos, até ajuda na colheita de café no Nepal com moradia em fazenda. Ou seja, há alternativas para todos os tipos de habilidades, gostos e idiomas.

Outro fator importante é ser bem sincero na sua aplicação para a vaga. Não invente características que você não tem. Não aplique para trabalhar em uma fazenda, se você não gosta de animais e prefere a vida urbana, não diga que você não bebe, se você pretende curtir sua folga do fim de semana em um bar com os amigos. Seja sempre correto quanto ao que deseja e pode oferecer, é apenas isso que as pessoas que vão lhe receber esperam, e só assim você terá a garantia de que a experiência será boa para ambas as partes.

Para aqueles que preferem algo mais perto, o Volunteers South America disponibiliza links para encontrar as opções de Work Exchange na maioria dos países da América do Sul e Central.

Work Exchange com taxas

Com serviço parecido, os sites que solicitam taxas de administração talvez ofereçam uma maior sensação de segurança para viajantes e anfitriões, uma vez que em sua maioria disponibiliza suporte 24h. Essa seria uma boa opção para aqueles que temem viajar e não saber lidar com qualquer imprevisto que possa vir a acontecer durante sua experiência de Work Exchange.
Work Exchange, como você vai ajudar

 

Work Exchange, suas recompensas

Além de já informar na oferta do estabelecimento o que você vai precisar fazer e o que vai receber em troca, sites como o World Packers  também costumam disponibilizar vários depoimentos das pessoas que passaram pelos respectivos locais disponíveis para a aplicação. Isso facilita bastante para você escolher o local que mais se adéqua ao que você poderá oferecer, além de ser um diferencial na hora de comparar tantas possibilidades interessantes.

E as opções são muitas mesmo, só hoje a Work Away Info tem mais de 27.702 oportunidades em 155 países diferentes. Um verdadeiro mundo aberto para a sua escolha.

Quando a dúvida sobre a escolha do melhor local para ir persistir, os sites ainda também disponibilizam contato com um conselheiro para que este possa lhe ajudar a direcionar melhor suas habilidades para a vaga certa. Juntando tudo isso ao fato de todas as localidades terem sido previamente verificadas e aprovadas, é praticamente certo que você viverá uma experiência incrível.

PÓS Work Exchange

Embora a maioria dos sites disponibilizem apenas vagas para aqueles que querem trabalhar em troca de algum outro benefício durante a sua viagem, o Working Traveller (sem taxas) vem com uma proposta interessante. Eles oferecem também a possibilidade de você conseguir trabalho remunerado uma vez que já tenha realizado outros voluntários.

Aquelas pessoas que, por exemplo, desejam trabalhar em hotelaria, mas ainda pecam um pouco no vocabulário ou se sentem inseguras, podem começar se voluntariando nos milhares de estabelecimentos do setor espelhados pelo mundo. Assim você pode desenvolver tanto suas habilidades já previamente apresentadas, quanto ganhar novos conhecimentos relacionados a termos específicos usados pelo setor.

Depois de trabalhar voluntariamente por um tempo e tomar conhecimento total da área que atua, a possibilidade de você vir a se candidatar e conseguir uma vaga remunerada na mesma função é maior, principalmente se conseguir colecionar bons feedbacks de seus antigos hosts. Isso vale inclusive para as pessoas que viajam sem perspectivas de trabalho e encontram dificuldades para se enquadrar nas vagas disponíveis em cada país, justamente por falta de experiência.

Na Europa é bem comum viajantes trabalharem por um tempo em diversos países para adquirir experiência, até decidirem por um onde possam conseguir uma vaga remunerada para fazer a aplicação de um novo visto.

Vale lembrar que no caso de você conseguir este tipo de progressão, é imprescindível que regularize o seu trabalho (agora remunerado) de acordo com leis locais. Todo este trâmite relacionado a regularização do visto deve ser feito e financiado por você, sem qualquer responsabilidade do empregador.

Se ficou com alguma dúvida ainda a respeito do programa, confira aqui o vídeo com o depoimento do Rafael Spisla, um curitibano, que largou seu emprego, vendeu as suas coisas e resolveu sair em uma jornada para conhecer um pouco mais do mundo junto com sua esposa Brenda.

COMPARTILHAR

Deixe uma resposta