Página Inicial Dicas Seguro de saúde e estâncias curtas

Seguro de saúde e estâncias curtas

Hoje vou dar dicas sobre o seguro de saúde internacional. Pode até parecer um assunto chato, mas além de ele ter relação direta com a retirada do visto, ele é importantíssimo no caso de você precisar de assistência médica durante o intercâmbio.

Para dar entrada no pedido do visado, um dos documentos exigidos é a apólice do seguro de saúde internacional. Em 2007, quando fiz o processo, eles exigiam um seguro de vida que cobrisse, no mínimo, R$100.000,00 (cem mil reais) – o que abrange as despesas de transporte em caso de morte e tudo mais (é, nessas horas há que se pensar em todas as possibilidades…).

Eu acabei optando pelo seguro ISIS que, na época, apresentava a melhor relação de custo-benefício. Depois de ter viajado, percebi que ele era realmente o mais popular entre os estudantes brasucas. Lembro que o preço foi quase equivalente ao de uma passagem – aproximadamente R$2.000,00 (dois mil reais). O prazo de validade era de aproximadamente um ano – terminava alguns dias após a data da minha passagem de volta para o Brasil.

A única coisa ruim é que o seguro não cobria automaticamente despesas de até U$500,00 (quinhentos dólares). Ou seja, se eu precisasse, teria que pagar o valor e no final eles me reembolsavam, depois de eu mostrar os comprovantes. Confesso que NUNCA precisei usar o seguro. Para nada, nadinha mesmo. Nem conheci alguém que precisou… Mas enfim, é uma exigência do consulado e a gente também nunca sabe o que pode acontecer.

Mudando de assunto, vou dar uma dica rápida sobre acomodação para estâncias curtas. A dúvida veio de um de nossos leitores e, com certeza, é um tema importante também para os que vão chegar a Sevilha e ainda não tem lugar certo para morar.

A lista de opções é imensa, mas quem procurar algo prático e barato deve se dirigir imediatamente aos hostels. Um dos melhores fica na Rua Isaac Peral e é da rede Hi Hostels. Não fica exatamente no centro, mas é bem perto. O preço é de 25 euros por pessoa, por noite. Praticamente 1/3 do que paguei nas pensões do Bairro Santa Cruz, onde fiquei uma semana até encontrar apartamento.

No site é possível ver uma lista completa das acomodações, inclusive com preço. As melhores localidades para ficar durante estâncias curtas são: El Arenal, Barrio Santa Cruz (Juderia), Alameda de Hércules, Plaza de Duque, Alfafa e Menéndez Pelayo.

Informações do albergue que citei anteriormente:

Sevilla – Instalación Juvenil: Rua Isaac Peral, 2. Fone: +34 955 056 500 / 902 510 000   E-mail: sevilla.itj@juntadeandalucia.es

Lembre sempre de fazer a reserva do hostel com, pelo menos, um mês de antecedência. A procura é enorme! Não se esqueça de especificar o tipo de quarto que procura (já que os hostels tem quartos com duas até 24 camas…).

COMPARTILHAR

7 COMENTÁRIOS

  1. Gabriela,

    Estou indo estudar na Finlândia, e tenho uma dúvida: você sabe me dizer se eu posso adquirir este seguro no meu local de destino, mesmo sendo brasileiro? Vejo que lá fora o seguro saúde está BEM MAIS em conta…

    Obrigado!

    • Oi, Diego! Acho difícil, pois na maioria das vezes tu já tens que ter o seguro de saúde para retirar o visto. O melhor a fazer é falar com o pessoal do consulado, pois não tenho conhecimento de como funciona o esquema na Finlândia. Mesmo sendo mais barato o seguro lá, acho difícil eles fazerem para estrangeiros…

  2. Ola, fui aprovado para um intercambio de 6 meses em Portugal pela universidade federal de vicosa. Possuo dupla nacionalidade (italiana-brasileira). Gostaria de saber se é necessario eu adquirir seguro de saude?
    obrigado

    • Rafael, como tens dupla cidadania e não precisas do visto, podes fazer um seguro lá mesmo. De qualquer maneira, eu acho mais tranquilo ir com um seguro daqui, em caso de precisares mesmo numa emergência.

  3. Olá! Ganhei uma bolsa para estudar um semestre na Universidade de Valência, Espanha, e gostaria de saber se você tem algumas dicas para me dar referente a moradia, seguro e passagem aérea que sejam mais em conta.
    Uma outra duvida que me mata é sobre o custo de vida lá, é mais em conta levar coisas daqui para me manter lá, como cosméticos, roupas e medicamentos ou compensa comprar lá mesmo??
    Aguardo ansiosa pelo seu retorno!
    Muito obrigada!

Deixe uma resposta