Mochilão de Aventura Adaptado: sim, existe!

A preocupação e o investimento em iniciativas de turismo adaptado a portadores de necessidades especiais tem sido uma crescente no mundo, o que é uma vitória. Mas ainda assim, às vezes a ideia de sair por aí, no melhor espírito mochileiro, livre, leve e solto, com uma mochila nas costas e coração aberto, pode assustar um pouco à primeira vista quem precisa de algum tipo de atenção especial.

Confesso que, quando me sugeriram escrever sobre esse tema, encarei como um desafio, já que não conhecia muita coisa sobre o assunto…  Mas ainda assim a elaboração desta matéria foi bastante interessante e surpreendente, como sempre é quando a gente é levado a fazer algo que nos apresente a uma nova realidade. E tive gratas surpresas em encontrar várias pessoas que já fazem isso há anos, e adoram. E sem estresses.

Aqui no Brasil, apesar de já termos alcançado alguns progressos, ainda temos muito o que fazer pela acessibilidade das pessoas portadoras de algum tipo de deficiência física. Lá fora, porém, como a cultura de viagem é muito forte e de muito tempo, despertou nas pessoas e nas empresas relacionadas a turismo a visão e a necessidade de se adaptar as soluções de turismo atuais a viajantes de todos os sexos, faixa etárias, culturas e necessidades particulares. Por isso, as iniciativas que facilitam o turismo – e inclusive, o mochilão – de pessoas com mobilidade reduzida é abrangente e relativamente comum, o que pode ser de grande ajuda na hora de pegar informações, coragem e viajar.

Claro que o assunto dá pano para a manga para uma série de discussões acerca de peculiaridades de cada necessidade, mas falando de forma geral dá para fazer um mochilão de aventura acessível sim, e se divertir muito. Só é necessária uma dose maior de planejamento para contornar prováveis incidentes – mas que, como tudo na vida, fazem parte do desafio de viver experiências enriquecedoras.

Certamente o planejamento varia de acordo com a necessidade que o viajante tenha, mas coletamos algumas dicas e observações que podem ser úteis:

Hospedagem: Muitos albergues filiados ao YHA já possuem estrutura para receber hóspedes com necessidades especiais – ou já exercem de alguma forma um trabalho que facilita a acessibilidade. Alguns albergues são construídos em prédios antigos, cujo acesso é mais difícil para entrar com uma cadeira de rodas, mas alguns já possuem alternativas confortáveis, como quartos adaptados no primeiro andar, toaletes próprios e adaptados e vagas em garagem especiais. Painéis em braille e possibilidade de registro e hospedagem de cães-guia também são possíveis. Basta entrar em contato com os albergues e pedir informações. Ah, e ao fazê-lo, sempre que possível peça uma foto dos cômodos adaptados. Uma imagem vale mais do que mil descrições.

Carro: Algumas vezes, onde dá para chegar de carro, dá para você chegar lá. As locadoras disponibilizam carros adaptados, e dependendo do lugar onde você for conhecer, existem plataformas de fácil acesso. E honestamente, muitas vezes nem precisa ter destino – só precisa ter a estrada. Dirigir pela rota 66 americana ou pela Golden Coast australiana são experiências que dão uma sensação de liberdade como poucas. Deliciosa.

Avião: As companhias aéreas, em sua maioria, estão razoavelmente preparadas para o transporte de passageiros, uma vez que sejam notificadas com antecedência das necessidades do voo. Uma dica apenas é evitar voos com muitas conexões, simplesmente para evitar muitos estresses nas mudanças de aviões.

Agências e Tours: Caso você não se sinta à vontade para sair sozinho mundo afora, pode contar com alguns tours especializados em esportes e aventuras para acompanhá-lo. Sem dúvida foi a descoberta mais gratificante ao pesquisar para escrever esta matéria. Existem tours de absolutamente todos os tipos de aventura para todos os tipos de necessidade – desde um safári de 12 dias pelo Krueger Park, na África do Sul, para portadores de deficiência renal que precisem de diálise, a 10 dias mergulhando Tailândia afora com instrutores especializados em linguagem de sinais e lábios.

Algumas agências mundo afora que ajudam o mochileiro aventureiro a dar aquela pitada de adrenalina necessária para a gente descobrir o mundo – mas com o justo suporte:

Special Needs at Sea – Empresa americana que aluga equipamentos para ajudar pessoas com mobilidade reduzida, que vão desde cadeiras de rodas adaptadas a oxigênio.

Worldwide Dive & Sail – Agência de mergulhos na Tailândia

Acessible New Zealand – Roteiros adaptados pelo país dos esportes radicais

Endeavour Safáris – Agência super bacana e uma das mais completas em termos de ofertas de tours, na África do sul.

E, se o desejo for de sair à solta, sem agências, e fazer passeios por conta própria, existem ainda empresas que oferecem equipamentos de aventura adaptados. Um exemplo é a Blue Sky Designs, que projeta tendas de acampamento próprias para usuários de cadeiras de rodas.

Guias e ajudantes: Dependendo do país, é razoavelmente barato contratar um assistente para ajuda-lo nos transportes – e facilita ainda se você quiser viajar por conta própria, sem roteiros nem agências, mas sente-se mais confortável com a presença de pelo menos uma pessoa. Índia e Tailândia, por exemplo, serviços de guias são relativamente baratos e você ainda conta com a experiência de visitar o país com a companhia e sob a ótica de um local.

Trekking: Parques considerados o “paraíso” para os trekkers como El Chaltén, na Argentina, e Torres del Paine, na Patagônia Chilena, possuem uma infinidade de trilhas, que vão de 1 hora até 9 dias – o que for ao gosto do freguês. E todos possuem empresas com guias especializados que podem fazer um roteiro fácil e customizado para qualquer tipo de pessoa, portadora de necessidades especiais ou não.

Degustar os momentos: Viajar é falar de novas experiências e, sobretudo, prazer. E não há nada mais gostoso que curtir com entrega os prazeres pequenos da vida. E que podem ser, por exemplo, tudo aquilo que estimule os cinco sentidos. Por isso, sempre que possível, não deixe de explorar o lado sensorial da sua viagem. Se tiver uma vinícola perto, agende uma degustação. Qual o prato principal do país? Experimente-o no restaurante mais gostoso que tiver. Se for andar de carro (e se o tempo permitir), abra a janela e deixa o vento bater no rosto. Escute as músicas locais. Assista às danças locais. Curta uma brisa.Pegue um pouco de sol – ou brinque com a neve. Sei lá. Mas o que fizer, não deixe de degustar de verdade as coisas. Pequenos prazeres tem o mesmo poder de marcar momentos especiais.

Destinos: Um consenso geral diria que os destinos mais “acessíveis” são a Europa Ocidental em geral, a Austrália e a Nova Zelândia, mas isso vai muito do grau de “aventura” que você deseja. Viagens para a Ásia são igualmente enriquecedoras, e com algum planejamento a mais são perfeitamente possíveis. Uma dica é entrar em contato com as associações de turismo adaptado presentes no seu local de destino e pesquisar algumas particularidades antes de ir.

Um órgão que pode ajudá-lo nisso é o International Disability Alliance.

Assistência: Seguro morreu de velho, já diziam. Então, ter um seguro de saúde para casos excepcionais é sempre uma boa – mesmo tendo um espírito econômico de mochileiro, é bom pensar que os gastos médicos, dependendo de cada caso, podem efetivamente quebrar o orçamento da viagem. Levar uma cópia em inglês da prescrição médica e um kit de reparos de uma cadeira de rodas, por exemplo, são boas ideias.

Mente inspirada:

Particularmente adoro tudo o que seja relativo a viagens e aventura, de todo e qualquer tipo… Porque a gente primeiro relaxa, depois se desliga, e assim, acaba conhecendo um lado nosso todo particular, sem preconceitos, sem cobranças, sem limitações impostas pela pressa do dia a dia. Sobretudo, a gente conhece um lado melhor da gente mesmo. Por isso que sou uma apaixonada por histórias de viagens – porque quaisquer que elas sejam, sempre trazem um certo “quê” inspirador que é inerente a elas, e que dá em quem ouve aquela coceirinha do tipo: “ah, queria fazer também!”.

E, já que o assunto é mochilão de aventura adaptado, adorei e compartilho com vocês o blog Pushing the Limits, de Andy Campbell, que descobri pesquisando na web. Ele é um cara apaixonado por esportes radicais e viagens ao mundo, e que faz de tudo e mais um pouco em uma cadeira de rodas. E ainda viajei no vídeo do último voo de parapente que ele fez. O que prova que limitação mesmo só existe na cabeça.

Clarissa Donda

Jornalista no diploma, profissional de Marketing na prática, e aficionada por viagens, esportes radicais e natureza nas horas vagas. Sou apaixonada por trilhas naturebas, fotos de caminhos, dias ensolarados, lugares exóticos e pessoas idem.
Fotógrafa amadora. Mochileira convicta. Leitora voraz. Esportista sofrível. Humilde assalariada. Cosmeticamente ativa. E feliz – geralmente tudo isso ao mesmo tempo.

Um pensamento sobre “Mochilão de Aventura Adaptado: sim, existe!

  • 13 de setembro de 2010 às 09:03
    Permalink

    Olá!

    Parabéns pela matéria, realmente muito boa e salvarei nos meus favoritos como referência…
    Estou no meu trabalho e um amigo me passou. Sou cadeirante e ando me preparando para planejar uma viagem desse tipo (minha preferência é a Itália ou Japão, mas estou pesquisando). Por enquanto fiz apenas uma viagem sozinho em que a ideia não era propriamente turismo pelo lugar (e sim encontrar uma garota – coisas do mundo da internet).
    Trabalhei com turismo (prestando informações turísticas e muitas vezes eu mesmo virei atração).
    Mas enfim, muito instrutiva (guardei as sugestões e sites) e acima de tudo sua matéria é um alento para pessoas como eu, com espírito pouco limitado porém necessidade de suporte material.

    Beijo e Parabéns!!!

    Rodrigo Brioschi (Petrópolis RJ)

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *