Página Inicial Dicas Mochilar ou pacotar, eis a questão!

Mochilar ou pacotar, eis a questão!

Uma das dúvidas cruciais que surge na mente daqueles que escolhem fazer uma viagem internacional pela primeira vez é escolher entre fazer uma viagem de aventura, com mochila nas costas e tudo mais, ou a comodidade de um pacote turístico organizado por uma agência de viagens. Aqui vão algumas dicas para tentar ajudar neste dilema:

1º PREÇO: não resta sombra de dúvidas que um pacote turístico pesa muito mais no bolso do que uma viagem ‘de mochila’. Facilmente explicável: no pacote, o turista fica em hotéis de luxo (na grande maioria *** para mais), acompanhado de um guia, com todo o translado garantido pela agência.

2º FLEXIBILIDADE: neste caso, sai ganhando o mochileiro, que pode escolher quanto tempo quer ficar em cada cidade de visita. Um dos grandes problemas dos pacotes é que o tempo de visitação nas cidades mais famosas é bastante restrito, e os pontos turísticos são visitados superficialmente. Assim, não se tem a chance de conhecer as peculiaridades do local.

3º COMODIDADE: neste quesito, o ‘pacoteiro’ se dá melhor, porque os pacotes, além de selecionarem bons hotéis, garantem café-da-manhã e o translado para as visitas. Apesar de vários albergues serem tão bons quanto alguns hotéis.

Mas o ‘mochileiro’ tem um ás na manga imbatível, que torna a viagem muito especial: a preparação da viagem, a reserva dos albergues (ou hotéis, como escolher), dos meios de transporte, etc.

Neste caso, uma dica para o mochileiro de primeira viagem: não tente abraçar o mundo de uma vez. No caso da Europa, por exemplo, fracione-a em fatias e faça, em cada viagem, uma varredura completa na fração escolhida.

É um costume, equivocado, de se querer conhecer as principais capitais europeias em uma viagem de 20 dias, por exemplo. Ao final da viagem, temos uma falsa impressão de termos conhecido todas, mas na verdade não conhecemos verdadeiramente nenhuma.

A preparação do roteiro da viagem é um dos momentos mais fascinantes da pré-viagem. A organização das cidades, a reserva dos albergues (utilizando-se critérios rigorosos, como café-da-manhã, localização, preço, etc), o deslocamento entre as cidades, tudo isto faz parte de um processo extremamente gostoso que não deveríamos abrir mão. Desde minha primeira viagem a Europa sempre fui um defensor da ‘mochilagem’, e com uma preparação bem feita, todas minhas viagens foram bem-sucedidas. Deixemos os pacotes para a ‘Terceira Idade’.

COMPARTILHAR

13 COMENTÁRIOS

  1. Pois é, eu viajei algumas vezes para América do Sul e posso afirmar que mochilar é muito emocionante, ainda posso acrescentar o fato que posso ressaltar que sozinho sem a agencia temos liberdade para fazer o que quiser mudar o roteiro se necessário. Ainda não penso em ir para europa, quero terminar de conhecer meu continente primeiro, depois quem sabe vou pra Europa, até lá quem sabe se já não estou na “idade” de ir com agência..hehe

    “alguns me chamam de aventureiro e na verdade sou…”

  2. Fui pra Europa de mochila no começo do ano também. 10 cidades, 35 dias. Realmente não dá pra conhecer tudo bem, mas achei que foi indispensável ir em todas, primeiro porque não sei quando terei outra chance ($$) de voltar, segundo porque quando voltar já saberei onde ir ou não, onde ficar mais ou menos tempo, etc.

    Entretanto, não foi um mochilão como esses de filmes, tipo Diários de Motocicleta. Foi uma coisa bem urbana, com a única diferença que ao invés de uma mala levei uma mochila (e não recomendo).

    Como foi minha primeira viagem acho que a Europa foi uma boa escolha por causa da infra estrutura de transportes, albergues, segurança, etc.

  3. Amigo, pacote não é para a ” Terceira Idade”, é para quem quer comodidade e paga por isso. Tenho mais de 50 anos e agora, aposentada, parto para meu 1º mochilão, 17 dias pelo Peru. Organizei e sigo. Sem pacote e sem discriminação.

  4. A minha primeira viagem internacional foi em 1996 e fui a New York atraves de pacote, e detestei, depois disso passei a viajar todos os anos por conta propria, sem pacotes, tudo planejado por mim, e tudo feito atraves da internet, e sem agencia voce tem muito mais flexibilidade na escolha de onde quer ficar e quanto tempo, tambem opto por hoteis baratos mas preferencialmente os de redes internacionais, mas ja fiquei muitos em hoteis locais em pequenas cidades, sempre opto dependendo o pais a locar um carro e acho muitissimo pratico pois voce tem locomocao rapida e facil e consequentemente voce perde muito menos tempo em ficar esperando trens e onibus e aproveita melhor o tempo de estadia fora do pais

  5. Não dá para negar que, estatisticamente falando, a percentagem de pessoas da ‘Terceira Idade1’ nos pacotes turísticos é grande… portanto não há discriminação nenhuma na minha última frase!

  6. Alô, professor! Eu com 67 anos meu marido com 72 anos, vamos no mes de junho passar 8 dias na Europa , juntos com um filho e uma filha.Sei que e´pucos dias, mas estamos aproveitando uma promoçao da Aviaçao Condor.Essa passagem ida e volta pra Frank na Alemanha custou pra cada um 280 dolares.Entao vamos tambem pra Roma e Veneza , nao sei se vai dar pra ver muita coisa! Mas na verdade assim que chegar na Alemanha vamos pra Roma. Se Deus permitir pois tenho medo dos tremores .E vamos pra o albergue , porque gostamos de turma jovem, os mais velhos acho que somos nos! Mas ja´estamos acostumados. Abraços de Ziza

  7. Amiga Ziza (posso me dar ao direito de tamanha intimidade?)
    Fico feliz que você e seu esposo tenham optado por fazer esta viagem “de mochila”, utilizandoalbergues, … Queira eu, num futuro próximo, possa fazer o mesmo… Nada tira a delícia de programarmos a viagem, o roteiro, os albergues, … não troco isso por nada.
    Boa sorte, amiga!!!

  8. Olá! Gostei muito da matéria!
    Irei viajar por 20 dias à Europa, 5 países. Irei através de agênsica, mas meu sonho é colocar a mochila nas costas e ir-me embora!rs
    O problema é, o tempo que tenho para programar-me e o receio de viajar sozinha. Não tenho um bom inglês, embora fale italiano e espanhol, tenho medo de me enrolar na Alemanha ou França.
    Penso em conhecer superficialmente agora…e o que eu mais me encantar, voltar ano que vem com a mochila! Acha que vou passar muito frio por lá?rs
    Parabéns pelas dicas…e obrigada!

  9. Quero ir pra Europa no final do ano, desambarcando em Portugal com uma mochila nas costas.
    Quero passar uns 5 anos viajando com uma pessoa portuguesa por toda a Europa. Claro que irei ficar ilegal nesse periodo, mas quero saber:
    Depois de 5 anos viajando de mochila pela Europa ilegalmente é possivel voltar ao Brasil e depois ir novamente pra Europa?

    • Lucas
      Dus coisas podem acontecer: quando vc sair da UE, vão ver q vc ficou ilegal ou; vc ser pego e ser deportado. Em ambos os casos, dificilmente vc conseguirá passar novamente pela imigração, pois esteve ilegal, e eles imaginarão que vc irá querer ficar ilegal novamente.

      • Obrigado cara!
        Então se eu for pego ilegal lá o maximo que pode acontecer é eu ser deportado?
        E pra mim voltar pro Brasil é normal mesmo estando ilegal?

  10. Mochilão com certeza é muito emocionante.
    Já fiz um por alguns cantos do Brasil. Pretendo fazer mais um desses no próximo ano, já como preparação para meu mochilão na Europa em 2017.
    Vai ser incrível *–*

Deixe uma resposta